Daily Archives: 14/02/2017

Imagem redimensionada
Diplomatas do Canadá fizeram uma rara visita à Coreia do Norte nesta semana. Eles foram ver o pastor canadense que está cumprindo uma sentença de prisão perpétua por subversão. As informações são de um oficial do ministério das Relações Exteriores.

Hyeon Soo Lim, que serviu em uma das maiores igrejas do Canadá, foi condenado a trabalhar de forma exaustiva pela sua vida em dezembro de 2015. A Coreia do Norte disse que ele estava tentando derrubar o regime local.

Chantal Gagnon, porta-voz do ministro canadense de Relações Exteriores, Stephane Dion, confirmou um relatório da agência de notícias KCNA da Coréia do Norte que disse que os diplomatas visitaram o país de terça a quinta-feira e viram Lim.

“Nós ainda estamos muito preocupados com a saúde dele, além de seu bem-estar e sua prisão perpétua. Estamos trabalhando ativamente para garantir sua libertação”, disse ela. “Este caso é uma prioridade para nós”, acrescentou, recusando-se a dar detalhes da saúde de Lim.

Em uma declaração, a igreja de Lim, em Toronto, disse que “esperamos que este seja um sinal positivo de que veremos o Reverendo Lim em liberdade muito em breve”.

O Canadá estabeleceu relações diplomáticas com Pyongyang em 2001, mas congelou-as em 2010. Ottawa agora diz que só falará com a Coreia do Norte sobre segurança regional, direitos humanos e casos consulares.

A igreja disse que Lim visitou a Coréia do Norte mais de 100 vezes desde 1997 e ajudou a montar um orfanato e uma casa de repouso. Lim, que tem 60 anos, passa oito horas por dia cavando buracos em um campo de trabalho onde não vê outros prisioneiros.

Confissão forçada

Em agosto passado, Lim foi forçado a confessar diante de câmeras que cometeu crimes contra o Estado. Sua confissão também foi acompanhada pela congregação da Igreja Pongsu de Pyongyang (Coreia do Norte). Lim foi mais tarde condenado a um regime de trabalhos forçados na cadeia, durante uma audiência realizada em 16 de dezembro de 2015.

Fonte: Guia-me

O link malicioso da vez no WhatsApp promete R$ 15 em créditos para celular se você clicar nele e seguir os passos sugeridos pelos criadores do “phishing” (fraude eletrônica). Em apenas 24 horas, mais de 300 mil pessoas já foram afetadas, segundo as empresas de segurança digital PSafe e Kaspersky.

O golpe começa com uma mensagem de um contato conhecido ou de algum grupo do WhatsApp convidando a pessoa a clicar no anúncio da promoção. O falso aviso também induz o usuário a compartilhar o link com seus amigos e grupos para que assim possa “receber os créditos”.

Depois a vítima do golpe é redirecionada para uma página que pede o número do seu celular. A partir desse momento, a pessoa é cadastrada em um serviço pago de SMS. O golpe ainda orienta que o usuário, caso não tenha acesso imediato aos créditos, tente novamente após 15 minutos.

O ataque, que possui até falsos comentários elogiando e recomendando a oferta, pode expor ou roubar os dados dos usuários, além de causar perdas financeiras com o SMS pago e indesejado.

Para não se tornar uma vítima desse e outros golpes, recomenda-se o uso de um aplicativo antivírus com a função “antiphishing” capaz de analisar e bloquear as ameaças já existentes. E mantenha-o sempre atualizado. Ah, e não clique em, nem compartilhe, mensagens com promessas esquisitas.

Fonte: UOL

No seu primeiro discurso como vereador em uma sessão parlamentar, na Câmara Municipal de Codó, Rômulo Vasconcelos, anuncia Tenente Coronel e mais 15 policiais para a Polícia Militar de Codó, após pedidos em reunião realizada em São Luís com o secretário de segurança pública do Estado, Jeferson Portela.  

“Estive em São Luís com o secretário de segurança fiz algumas reivindicações, essa ida nossa foi pautada junto com o prefeito, Francisco Nagib e fomos chamados para discutir a cotação do novo comandante da polícia militar de Codó. Indicamos o nome do tenente coronel Jurandir que deverá ser empossado até o dia 20 deste mês”, disse o parlamentar.

Rômulo informou ainda que foi solicitado a vinda de mais 15 policiais militares para a cidade. “São 15 policiais que irão reforçar a nossa segurança, sendo 9 da academia e 6 de outras cidades, aumentando assim, o contingente”, afirmou.

Além dos anúncios o parlamentar ressaltou que na reunião foi discutido a construção do Instituto Médico Legal (IML), além do Instituto de Criminalista do Maranhão (Icrim).

“O Zito lutou muito para trazer o IML para Codó, mas isso nunca foi possível por falta de recurso. Agora o secretário de segurança se comprometeu (Em trazer o IML) desde que o município entre com uma contrapartida com a doação de um terreno, já falei com o Francisco Nagib, a prefeitura irá doar um terreno para a construção do instituto”, informou o vereador.

O vereador também falou sobre o Icrim, que deverá ser instalado em Codó. “Todas as armas e drogas que são aprendidas aqui, são encaminhadas para Timon ou São Luís, com o instituto encurtaríamos o tempo para concluirmos os inquéritos mais rápido”, destacou o parlamentar.

Rômulo também se reuniu com o secretário de segurança municipal de Codó, Breno Galdino, onde foi solicitado 10 vagas para o treinamento dos guardas municipais desta cidade. “Eles (guardas) irão treinar com a nova pistola elétrica, em São Luís. E também conseguimos duas vagas para projetistas, para realizar projeto junto a Fenasp, para não perdermos nenhum projeto para a segurança pública da nossa cidade”, concluiu Vasconcelos.

Texto: ASSCOM RÔMULO VASCONCELOS

Foto: THYAGO LUZ/ DIVULGAÇÃO

Aproximadamente 50 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de epilepsia, um tipo de transtorno mental crônico que afeta homens e mulheres de todas as idades. Os números, divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), posicionam a epilepsia como uma das doenças neurológicas mais comuns no planeta.

No Dia Internacional da Epilepsia, lembrado hoje (13), a entidade alertou que quase 80% dos casos registrados globalmente estão em países de baixa e média renda. Os dados revelam que três quartos das pessoas com a doença que vivem nessas localidades não recebem tratamento adequado – ainda que o transtorno responda aos remédios em até 70% dos pacientes.

“Em muitas partes do mundo, pessoas com epilepsia e suas famílias sofrem com o estigma e a discriminação”, destacou a OMS.

Doença

A epilepsia é caracterizada por convulsões recorrentes – breves episódios de movimento involuntário que podem envolver uma parte do corpo ou todo o corpo, algumas vezes acompanhados de perda de consciência e do controle da bexiga ou do intestino.

Os episódios de convulsão são resultado de descargas elétricas excessivas num grupo de células cerebrais, sendo que diferentes partes do cérebro podem ser atingidas pelo problema. As convulsões podem variar entre breves lapsos de atenção e espasmos musculares até episódios prolongados e severos.

Uma única convulsão não necessariamente significa diagnóstico de epilepsia, já que até 10% da população global apresenta pelo menos um episódio desses ao longo da vida. A doença é caracterizada após o registro de duas ou mais convulsões não provocadas.

“A epilepsia é uma das mais antigas condições reconhecidas no mundo, com registros escritos datando de 4000 a.C. Medo, desconhecimento, discriminação e estigma social têm cercado a epilepsia há séculos. Esse estigma permanece em diversos países atualmente e pode impactar na qualidade de vida das pessoas com o transtorno e suas famílias”, informou a OMS.

Sinais e sintomas

As características das convulsões variam e dependem da parte do cérebro inicialmente afetada pelo transtorno e do quão rápido ele se espalha. Sintomas temporários podem ocorrer, como perda de consciência, além de perturbações de movimento, sensação (incluindo visão, audição e paladar) e humor.

Pessoas com convulsões tendem a apresentar mais problemas físicos, como fraturas e contusões provocadas pelos episódios, assim como taxas mais altas de condições psicológicas, incluindo ansiedade e depressão. Além disso, o risco de morte prematura em pacientes com epilepsia chega a ser três vezes maior que na população em geral, sendo que as maiores taxas são registradas em países de baixa e média renda.

“Grande parte das causas de morte relacionadas à epilepsia em países de baixa e média renda são potencialmente preveníveis, como quedas, afogamento, queimaduras e convulsões prolongadas”, acrescentou a OMS.

Causas

A epilepsia não é contagiosa. O tipo mais comum, denominado epilepsia idiopática, afeta seis entre dez pessoas com a doença e não tem causa definida. Já o tipo de epilepsia de causa conhecida é denominado epilepsia secundária ou epilepsia sintomática. As principais causas, nesses casos, são:

– dano cerebral provocado por lesões pré-natais ou perinatais, como perda de oxigênio ou trauma durante o parto e baixo peso ao nascer;
– anormalidades congênitas ou condições genéticas associadas a malformações cerebrais;
– ferimento grave na cabeça;
– derrame que limite a quantidade de oxigênio no cérebro;
– infecções do cérebro, como meningite, encefalite e neurocisticercose;
– determinadas síndromes genéticas;
– tumor cerebral.

Fonte: EBC

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com