Blog do Leonardo Alves - Compromisso com o Leitor!

Governo apresenta a empresas o programa ‘Jovem Aprendiz’

Governo apresenta a empresas o programa ‘Jovem Aprendiz’

Jovem Aprendiz

As Secretarias de Estado de Indústria e Comércio (Seinc), Trabalho e Economia Solidária (Setres) e Juventude (Seejuv) apresentaram, nesta segunda-feira (30), o Programa ‘Jovem Aprendiz’ a empresas instaladas no Maranhão. A iniciativa é um importante passo nas políticas de inserção de jovens no mercado de trabalho.

Durante a apresentação, o secretário adjunto de Indústria e Comércio, Expedito Júnior, ressaltou a importância da inclusão de jovens em empresas instaladas no estado. “Um dos compromissos do governador Flávio Dino é gerar oportunidades para a população. Com esse trabalho conjunto, estamos dialogando com as empresas e, por meio do Comitê [de Monitoramento], vamos acompanhar a inserção desses jovens”, disse.

O Programa ‘Jovem Aprendiz’ faz parte das ações do Comitê de Monitoramento de Obediência a Lei de Aprendizagem no âmbito do Programa ‘Mais Empresas’, instituído em 2016, que tem o objetivo de acompanhar, avaliar e fiscalizar o cumprimento do Artigo 22 da Lei Estadual n° 10.259 de 16 de junho de 2015, que instituiu o ‘Mais Empresas’, no que se refere à Lei de Aprendizagem (Lei Federal nº 10.097 de 19 de dezembro de 2000).

Os trabalhos reforçam o compromisso do Governo do Maranhão em desenvolver ações conjuntas voltadas ao desenvolvimento econômico, social e com a inclusão de jovens nas empresas que recebem benefício fiscal, por intermédio do programa ‘Mais Empresas’. Para Nilce Cardozo, secretária adjunta de Trabalho e Economia Solidária, a ação do comitê, com foco na juventude, fortalece a inserção dos jovens no mercado de trabalho. “Mostrar essa iniciativa do Governo para o empresariado, é fundamental. O comitê com o trabalho das três secretarias é o embrião para a discussão de desenvolvimento e geração de trabalho”, afirmou.

“O Comitê de Monitoramento de Obediência ao Cumprimento da Lei da Aprendizagem é fundamental para engajar as empresas na contratação de jovens e que seguramente refletirá em melhores indicadores da empregabilidade comprometida com novas oportunidades de trabalho decente e renda para a juventude”, ponderou o secretário adjunto da Seejuv, Paulo Romão.

Gestores da Seinc, Setres e Seejuv já discutem o cronograma de visitas educativas nos empreendimentos que recebem benefícios do ‘Mais Empresas’, com o intuito de realizar fiscalizações relativas ao cumprimento da Lei do Jovem Aprendiz. Todo o trabalho será acompanhando e avaliado e depois serão expostos no Conselho Deliberativo do ‘Mais Empresas’, que administra o programa.

Idoso é preso após tentar fraudar o INSS no Maranhão

 

Osbira Araújo Cortez foi preso tentando se aposentar com documento falso.
Ele responderá por estelionato previdenciário e associação criminosa.

Osbira Araújo Cortez foi preso em flagrante com todos os documentos pessoais falsos (Foto: Reprodução/TV

Um idoso identificado como Osbira Araújo Cortez, de 64 anos, foi preso em Santa Inês, a 250 km de São Luís, tentando se aposentar usando documentos com o nome de outra pessoa. A prisão em flagrante foi realizada dentro da agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) quando o idoso tentava usar a documentação falsa para se aposentar.

Ao fazer o processo de triagem, em que inclui a conferência dos documentos e entrevista com o candidato a um benefício, os funcionários do INSS desconfiaram do idoso e chamaram a polícia.

Segundo o delegado Éderson Martins, ao ser interrogado na delegacia, Osbira confessou a tentativa de fraude e o nome verdadeiro dele. Nos documentos falsificados ele era identificado como Francisco Sousa da Silva.

“A falsificação estava um pouco grosseira. Aí em consultas em nosso sistema a gente realmente constatou que não era aquela pessoa que estava no documento. Na entrevista com ele realmente entregou que ele estava com a documentação falsificada e ia tentar dar entrada na sua aposentadoria”, relatou o delegado.

Ainda conforme o delegado, junto com Osbira havia ainda mais três idosos e a pessoa que estava levando os quatro da cidade de Bacabal até Santa Inês. Ele acrescenta que ao perceber a demora do idoso dentro da agência todos fugiram.  “Era mais um participante. Na realidade eles estavam utilizando ele para conseguir esse benefício. Ele iria pegar apenas a quantia de 250 reais e depois repassaria a documentação, os cartões bancários para essa pessoa que continuaria recebendo no lugar dele”.

O delegado Éderson Martins disse que Osbira Araújo Cortez vai responder pelos crimes de tentativa de estelionato previdenciário e associação criminosa. “Na verdade foi feito um flagrante. Um estelionato previdenciário tentado contra e uma associação criminosa contra ele e já foi feito o procedimento, e encaminhado para o Judiciário. Ele está descendo agora para o presídio local e a manutenção da prisão dele agora vai depender do Judiciário”, finalizou.

fonte: G1 MA

Concurso de Redação das Nações Unidas para Universitários

As Nações Unidas estão com as inscrições abertas para o concurso de redação Muitas Línguas, Um Mundo, voltado para jovens universitários. A iniciativa é promovida pela escola de inglês ELS Educational Services e pelo programa Impacto Acadêmico da ONU.

Concurso premia redações em línguas oficiais da ONU. Foto: ONU/Loey Felipe

As Nações Unidas estão com as inscrições abertas para o concurso de redação Muitas Línguas, Um Mundo, voltado para jovens universitários. A iniciativa é promovida pela escola de inglês ELS Educational Services e pelo programa Impacto Acadêmico da ONU.

Para concorrer, é preciso escrever uma redação original de até 2 mil palavras discutindo noções de cidadania global e compreensão cultural, abordando a importância do desenvolvimento de habilidades linguísticas. A redação deve refletir o contexto pessoal, acadêmico, cultural e nacional do candidato.

Os participantes precisam ser estudantes universitários, ter mais de 18 anos e autorização formal de um membro da faculdade ou administrador universitário para participar.

O texto deve ser escrito em um dos seis idiomas oficiais da organização, que seja diferente do idioma materno e da língua na qual recebeu educação primária e secundária. As inscrições podem ser feitas até 16 de março.

Sessenta vencedores serão selecionados como delegados para o Fórum Global da Juventude Muitas Línguas, Um Mundo que ocorrerá este ano entre 15 e 26 de julho na Northeastern University (Boston, Estados Unidos). Na ocasião, os jovens criarão planos de ação relacionados à Agência 2030 para o Desenvolvimento Sustentável em uma das seis línguas oficiais das Nações Unidas.

Cada vencedor terá direito a uma viagem paga para Boston e Nova Iorque no período da conferência. Os custos com passagem aérea, acomodações e alimentação serão pagos pela ELS Educational Services.

A iniciativa “Muitas Línguas, Um Mundo” promove o aprendizado continuado das seis línguas oficiais das Nações Unidas: árabe, chinês, inglês, francês, russo e espanhol.

Saiba mais em https://www.manylanguagesoneworld.org/.

Cientistas descobrem lagarto que solta pele do corpo para escapar de predadores

Cientistas alemães descobriram uma espécie de lagarto que se livra completamente da pele para fugir dos predadores.

O réptil, de nome científico Geckolepis megalepis, foi batizado de lagarto-escama-de-peixe. Ele vive em Madagascar e nas vizinhas ilhas Comores, na costa sudeste da África.

Muitos lagartos podem soltar a própria cauda quando atacados, mas a nova espécie tem escamas grandes que se desprendem com facilidade ainda maior.

A descoberta foi relatada na revista científica PeerJ.

Sem cicatriz

O lagarto é especialmente adaptado à descamação.

Embora muitos outros lagartos possam se livrar da pele quando agarrados com firmeza, essa espécie faz isso diante do mais leve toque.

Novas escamas crescem em algumas semanas sem deixar cicatrizes, enquanto outros lagartos demoram mais para regenerá-las.

Outra característica que impressionou os cientistas é o tamanho – considerado grande – das escamas do Geckolepis megalepis.

A hipótese é de que escamas maiores se soltam mais facilmente porque ocupam superfície e área de atrito também maiores.

“O que é realmente impressionante é que estas escamas, que são espessas e às vezes podem ser ósseas, exigem um grande gasto de energia na sua produção”, disse o chefe da pesquisa Mark Scherz, da Universidade Ludwig Maximilian de Munique, na Alemanha. “Também impressiona a facilidade com que se soltam e regeneram rapidamente sem deixar cicatriz.”

Observação difícil

A nova espécie foi observada no Parque Nacional do Tsingy, no norte de Madagascar, em atividade durante a noite, em temporadas de chuva e seca, em árvores e cavernas.

Ao perder as escamas, a nova espécie fica com a pele totalmente exposta mas não apresenta sangramento nem cicatriz  (Foto: F. Glaw)

Ao perder as escamas, a nova espécie fica com a pele totalmente exposta mas não apresenta sangramento nem cicatriz (Foto: F. Glaw)

 

Os primeiros relatos científicos da existência destes lagartos em Madagascar surgiram no fim do século 19, mas esbarraram na dificuldade de capturar exemplares sem que eles perdessem escamas demais.

Mais recentemente, os cientistas passaram a atrai-los evitando qualquer contato direto.

O número de escamas e a sua padronagem são fundamentais para os especialistas identificarem e distinguirem as espécies de répteis. Por isso, eles levaram tanto tempo para classificar o Geckolepis megalepis como nova espécie.

Existem em Madagascar 350 répteis terrestres, 90% dos quais não são encontrados em nenhum outro lugar do mundo.

Fonte: G1

Reforma pode afastar jovens da Previdência: ‘Se não vou usar, por que pagar?’

Para estudiosos do tema, a reforma da Previdência pretendida pelo governo Temer, sob a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, ao contrário da propaganda oficial, pode inviabilizar de vez o sistema, ao afastar atuais e possíveis futuros contribuintes. A dificuldade de acesso a aposentadorias se tornaria um fator de desestímulo. “Está se disseminando a ideia de ‘Se eu não vou usar, por que pagar?'”, afirmou ontem (7) o economista Eduardo Fagnani, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), durante seminário promovido em São Paulo pelo Dieese e centrais sindicais

Segundo ele, a possível saída de jovens da base de contribuintes e mudanças nas relações de trabalho, como a terceirização, podem levar a uma “queda brutal” da receita. Fagnani contesta a afirmação recorrente de que o sistema não se viabiliza porque há progressivamente menos pessoas na ativa e mais inativos. “A Previdência é sustentada pelo trabalhador ativo, pela sociedade e sobretudo pelo governo”, afirma, lembrando que nos países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) a parte do governo é de 50%, chegando a 75% na Dinamarca, o equivalente a 27% do Produto Interno Bruto (PIB) daquele país.

Da mesma forma, Fagnani considera falso o argumento de déficit ou “rombo” da Previdência. “O déficit é a parte do governo que, embora prevista na Constituição, não é contabilizada”, diz o economista. Ele observa ainda que o país gasta R$ 500 bilhões por ano em juros, tem estimados outros R$ 500 bilhões em sonegação e R$ 280 milhões referentes a renúncia fiscal.

“Não há argumento para dizer que o problema fiscal brasileiro é a Previdência. A estratégia do ajuste fiscal é comprimir o gasto primário. O gasto financeiro deixa explodir”, afirma Fagnani, apontando objetivos estruturais do atual governo, que se aproveita de um golpe para impor essas alterações, que não seriam aceitos pelo eleitor. “O que está em jogo no Brasil não é um ajuste fiscal, é uma mudança no modelo de sociedade. Um programa desse tipo não passa pelo crivo popular.”

Pacto de gerações
Para o economista Frederico Melo, do Dieese, a proposta do governo rompe um “pacto de gerações”, na medida em que os jovens começam a falar em não contribuir mais para a Previdência, desencorajados pelas possíveis mudanças no acesso. Para ter direito à aposentadoria integral, por exemplo, pelas novas regras, seria preciso trabalhar ininterruptamente durante 49 anos.

Ele lembra que o envelhecimento da população é um fenômeno “inegável”, mas considera uma visão “estreita ou restrita” usar esse argumento para falar em reformas do sistema – ou, usando um termo bastante repetido durante o seminário, um “desmonte” da Previdência pública. Melo observa ainda que o principal fator de envelhecimento no Brasil é a redução do número de nascimentos. “A Previdência Social não vai ser financiada apenas pelo trabalhador ativo”, diz o economista.

O argumento, acrescenta, vale apenas para reduzir direitos, mas não para ampliar políticas para idosos, por exemplo. Melo acredita que os projetos de reformas podem levar a uma “degradação” da remuneração, comprometendo o financiamento da Previdência e do sistema de seguridade.

“Não tenho dúvida de que o objetivo implícito, oculto (da reforma), é a privatização”, afirma Fagnani. “Não é à toa que o secretário da Previdência só recebe banqueiro.” Segundo ele, o debate a ser feito é “qual o país que nós queremos e qual está sendo projetado”. A partir de março, com a comissão especial da PEC 287 implementada e em funcionamento, “vai começar uma guerra”.

Fonte: 247