Blog do Leonardo Alves - Compromisso com o Leitor!

Enem 2017 será em dois domingos seguidos de novembro

Exame deixará de ser aplicado aos sábados. MEC ampliou possibilidade de isenção de taxa, vai personalizar cadernos e eliminar ‘ranking’ de escolas.

 O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 será realizado em dois domingos consecutivos: 5 e 12 de novembro. No ano passado, a prova foi aplicada em um fim de semana (sábado e domingo, 5 e 6 de novembro). A modificação integra uma lista de novidades divulgadas pelo Ministério da Educação (MEC) nesta quinta-feira (9).

As demais mudanças foram:

  • Primeiro domingo terá linguagens, ciências humanas e redação, com cinco horas e meia de prova; no segundo, matemática e ciências da natureza, com quatro horas e meia de prova
  • Cadernos de prova serão personalizados, com nome e número de inscrição na capa e cartão de respostas
  • Passam a ser isentos da taxa de inscrição também aqueles que tiverem cadastro no CadÚnico (que reúne famílias de baixa renda)
  • Não serão divulgados dados do Enem por escola
  • Isentos do pagamento da inscrição que não comparecem perdem direito ao benefício no ano seguinte se a ausência não for justificada
  • Enem não valerá como certificado do ensino médio
  • Solicitação de tempo adicional para atendimento especial deve ser solicitada na inscrição
  • MEC diz que estudantes recusaram, em consulta pública, possibilidade de fazer a prova no computador

A decisão de alterar o esquema de datas do Enem foi tomada após a realização da consulta pública sobre o exame, entre os dias 18 de janeiro e 17 de fevereiro. Dos mais de 600 mil participantes, 63,70% votaram que o Enem deveria ocorrer em dois dias e 36,30% opinaram que deveria ser aplicado em um dia só.

Em seguida, aqueles que participaram da consulta pública tiveram de responder     à seguinte questão: “Caso o exame continue sendo aplicado em dois dias, qual formato deverá ser realizado?”.

A maior parte (42,30%) optou que ele ocorresse em dois domingos seguidos – por isso, o MEC implementou a mudança.

Em segundo lugar, ficou a opção de um domingo e uma segunda-feira (que se tornaria feriado escolar), votada por 34,10% dos participantes. Por último, restou a alternativa de manter-se o esquema até então vigente, de sábado e domingo, com 23,60% dos votos.

Sabatistas

Uma das consequências da realização do exame somente aos domingos é atender uma antiga reclamação dos candidatos sabatistas – por causa da religião, eles só podem estudar ou trabalhar aos sábados após o sol se pôr.

Consequentemente, todos os anos, eles entram no local de prova às 13h (horário de Brasília) e ficam isolados em uma sala até as 19h, quando começam o exame. No Acre, por exemplo, por causa do fuso horário, o tempo de espera é de 9 horas.

De acordo com o Inep, isso faz com que cada candidato sabatista custe para o governo R$ 16,39 a mais do que os demais participantes, devido às despesas extras trazidas pela aplicação do exame à noite no sábado. No Enem 2016, os 76 mil sabatistas que fizeram a prova acarretaram um gasto de aproximadamente R$ 646 mil.

Redação muda de data

O MEC não mudou total de questões ou qualquer item de conteúdo, mas mudou o dia da prova de redação. Antes, a redação era cobrada no segundo dia, junto com as 45 questões de matemática e as 45 de linguagens. Na configuração anterior, nesse dia os alunos tinham cinco horas e meia de prazo.

Agora, redação, linguagens e ciências humanas serão os temas do primeiro domingo. Com a alteração, o primeiro dia de provas passa a ter duração de cinco horas e meia de prova. Uma semana depois será feita a prova de matemática e ciências da natureza, com quatro horas e meia para realização.

A diagramação das provas também será alterada, buscando uma apresentação “mais amigável”, segundo o Inep.

Inscrições

As inscrições para o Enem 2017 ficarão abertas entre os dias 8 e 19 de maio de 2017. O edital com mais informações sobre o exame será publicado até o dia 10 de abril, segundo o MEC.

Isenção da taxa de inscrição

De acordo com a pasta, continuarão isentos da taxa de inscrição os concluintes do ensino médio de escolas públicas, os candidatos com renda familiar per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio e aqueles que cursaram o ensino médio completo em escola da rede pública ou como bolsista integral de escola privada.

A novidade do Enem 2017 é que passam a ser isentos também aqueles que tiverem cadastro no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal), que reúne famílias em situação de pobreza e pobreza extrema. Para comprovar o dado, o candidato deverá informar, no ato da inscrição, o NIS (número de identificação social) – o sistema permitirá a busca automática.

Data do resultado

Os resultados do Enem 2017 serão divulgados em 19 de janeiro de 2018. Os candidatos continuarão podendo acessar o resultado por área de conhecimento e o desempenho individual.

Fim do ‘ranking’ do Enem por escola

O MEC também decidiu que não haverá mais o resultado do Enem por escola – dado que costuma ser disponibilizado anualmente. A lista é popularmente conhecida como “ranking” do Enem por escolas.

Sobre a exclusão desse dado, a presidente do INEP Maria Inês Fini afirmou que a mudança é uma reivindicação antiga dos especialistas em educação. “O Enem não avalia escola, avalia o estudante e isso é só um dos muitos indicadores para poder avaliar uma escola”.

Ainda sobre o cancelamento do resultado por escola o ministro da Educação, Mendonça Filho afirmou que “o ranking das escolas que é utilizado como propaganda, e não é missão do Estado brasileiro estabelecer esse ranking. Produzia um desserviço e uma desinformação. “

Ausência

O candidato que obtiver a isenção da taxa de inscrição e não comparecer à prova perderá o benefício no Enem 2018, caso queira solicitá-lo novamente. A exceção ocorrerá nos casos em que o indivíduo justificar sua ausência por meio de atestado médico ou documento oficial que comprove a impossibilidade de seu comparecimento. Antes, bastava fazer uma autodeclaração com a justificativa da ausência.

Estrutura da prova e segurança

Os participantes do Enem 2017 receberão cadernos de prova personalizados, com o nome e o número de inscrição escritos na capa, juntamente com os cartões de resposta encartados, que também levam os dados do candidato.

Continuam havendo quatro cadernos diferentes, identificados por cores, para manter a segurança do exame.

Certificação do ensino médio

O MEC já havia informado que o Enem não poderia mais ser usado como certificação do ensino médio. A partir de 2017, os jovens poderão obter o documento pelo Encceja (Exame Nacional de Certificação De Competências de Jovens e Adultos) – tanto para ensino fundamental quanto para ensino médio.

Atendimento especializado

Aqueles candidatos que precisarem de atendimento especializado na prova, como no caso daqueles que têm alguma deficiência, deverão fazer a solicitação de tempo adicional no ato da inscrição, apresentando um documento que comprove a necessidade do benefício.

No Enem 2016, o requerimento era feito nos dias de aplicação do exame – foram 68.907 solicitações na última edição da prova.

Reforma do ensino médio

É importante esclarecer que as mudanças no Enem 2017 não têm relação com a reforma do ensino médio. O MEC lembra que ainda é preciso concluir a Base Nacional Curricular Comum (BNCC), documento que lista os conteúdos obrigatórios a serem ensinados nas escolas, para que as instituições de ensino tenham tempo de ensinar essas matérias em sala de aula. Só depois é que ocorrerão mudanças no conteúdo do exame.

Prova virtual

Outra questão levantada pela consulta pública diz respeito à realização da prova por computador. O MEC já havia avisado que, caso a mudança fosse aprovada, não seria implementada antes de 2018. Mas os participantes votaram contra a prova virtual: 70,10% disseram não a ela.

Sobre o resultado, o ministro se disse surpreso e afirmou ainda acreditar que a medida será inevitável. “De fato foi uma surpresa, eu imaginava que a maioria indicaria o computador como mecanismo para aplicação da prova e aí contradiz um pouco ou bastante a própria tendência do jovem. De um lado acho que há sempre um receio com relação à segurança, de que o computador poderia facilitar fraudes e, de outra parte, o medo com relação ao novo. O ser humano gosta do novo, mas ele não gosta de ousar. Eu acho que é uma coisa inevitável, não sei em quanto tempo a gente vai conseguir promover essa mudança, mas ela virá”, disse o Mendonça Filho.

Consulta pública

O MEC realizou uma consulta pública sobre o Enem do dia 18 de janeiro até 17 de fevereiro. Os participantes, após preencherem um formulário com nome completo, e-mail e CPF, responderam três questões:

  • – A primeira questionava se o exame deveria continuar ocorrendo no formato atual, em dois dias, ou se aconteceria em um dia só, com um número reduzido de questões. A intenção, conforme declarado pelo ministro Mendonça Filho, era estudar a possibilidade de haver economia nos custos de segurança e de volume de papel.

Segundo o Inep, especialistas contratados pelo governo garantiram que não haveria redução na qualidade do exame caso ele ficasse concentrado em uma jornada. Em janeiro, o MEC reforçou que não haveria a possibilidade de eliminar a redação do Enem.

  • – A segunda questão era sobre a possibilidade de aplicação da prova por computador. A pasta afirmou que, caso a mudança fosse aprovada, não seria implementada antes de 2018, por exigir uma nova demanda de infraestrutura e de modificação no sistema de segurança do Enem.
  • – A última pergunta da consulta pública permitia que o participante escrevesse contribuições para o aprimoramento do exame.

Fonte: G1

População em situação de rua em Codó é desafio para Políticas Públicas

  O crescente aumento no número de moradores de rua em Codó é um fato que só vem crescendo e que pede por uma maior atenção por parte do poder público, para que eles tenham a possibilidade de ter uma vida decente e com recursos para se obter menos alguma qualidade de vida. Podem ser uma minoria, mas deixam visível  seus sofrimentos pelas ruas de Codó.

Os motivos que levam uma pessoa a morar na rua são vários, como o desemprego, abandono familiar, ou até a falta de família, o desajuste social, problemas psicológicos e muitas vezes, o vício em drogas, como o álcool e o crack. Essas pessoas já não vêem expectativas em suas vidas, se encontram em uma situação de sobrevivência, fora do contexto social, sem esperanças ou sonhos, usando de papelão e jornais como prática do frio durante a noite, enfrente dos bancos e nas praças.

Não é apenas o governo que deve voltar seus olhos para estas pessoas, mas também a sociedade, que ao se deparar com um “mendigo” na rua e praças, passa como se não existisse nada naquele lugar, como se não fizesse parte de sua realidade. Essa imagem “inconveniente” passa despercebida aos olhos das pessoas que já não enxergam solução para este problema e ignoram o outro, que necessita de ajuda, ou pelo menos, ser tratado com dignidade.

Essas pessoas fazem parte da nossa sociedade, que todos possuem os mesmos direitos perante as leis e que devemos rever nossos conceitos e incentivar o respeito ao próximo tratando todos com dignidade independente da situação socioeconômica em que se encontra. Um importante equipamento púbico para essa população é o Centro de Referência Especializado da Assistência Social para população em situação de rua (CENTRO POP). É importante também a criação de uma organização não governamental (ONG) voltada para  estas pessoas em situação de rua, para discutir e implementar políticas públicas.

Espero pelos comentários e a divulgação de cada leitor, afinal, esse é um tema que deve ser mantido sempre em discussão visando mudança da consciência social de cada um.

Justiça Federal determina matrícula de alunos excluídos pela UFMA

Intervenção quer garantir a isonomia do seletivo durante investigações.
MPF-MA considerou exigências da universidade ilegais e abusivas.

Estudantes de Medicina protestam na UFMA (Foto: Flora Dolores/ O Estado)

Estudantes de Medicina protestam na UFMA

 O Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou que a Universidade Federal do Maranhão (Ufma) rematricule os alunos do curso de medicina selecionados por meio do Edital 183/2016 e 184/2016 – Proen, admitidos na universidade para preenchimento de vagas ociosas.

De acordo com o Desembargador Jirair Meguerian, “a medida mais prudente, no momento, enquanto se examina a legalidade do ato da Ufma que impôs exigências diferentes os Editais Proen 183 e 184, ambos de 2016, é a manutenção da matrícula de todos os candidatos aprovados para o Curso de Medicina”.

Para o Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA), autor da denúncia, há dúvidas sobre a validade do seletivo, que deverão ser apuradas no processo judicial. No entanto, a fim de não prejudicar os alunos, foi determinada a readmissão deles, sem prejuízo da apuração da possível irregularidade, na ação que tramita na Justiça Federal do

 De acordo com o Desembargador Jirair Meguerian, “a medida mais prudente, no momento, enquanto se examina a legalidade do ato da Ufma que impôs exigências diferentes os Editais Proen 183 e 184, ambos de 2016, é a manutenção da matrícula de todos os candidatos aprovados para o Curso de Medicina”.

 Para o Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA), autor da denúncia, há dúvidas sobre a validade do seletivo, que deverão ser apuradas no processo judicial. No entanto, a fim de não prejudicar os alunos, foi determinada a readmissão deles, sem prejuízo da apuração da possível irregularidade, na ação que tramita na Justiça Federal do Maranhão.

 Segundo o MPF, a nota divulgada pela Ufma contém informações incorretas. Pela nota, a ação judicial teria sido proposta após os candidatos reprovados apresentarem reclamações. No entanto, a ação judicial foi proposta pelo MPF em 19 de setembro de 2016, antes da divulgação dos resultados. Assim que o edital foi divulgado, o MPF recebeu dezenas de denúncias acerca de regras diferenciadas para a seleção do curso de medicina. O resultado do Processo Seletivo foi publicado em outubro de 2016.

Entenda o caso

 O Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA) propôs ação civil pública, com pedido de liminar, contra a Universidade Federal do Maranhão (Ufma) para suspender exigências, que o MPF considera ilegais e abusivas, no processo seletivo de preenchimento de vagas ociosas para o curso de medicina da Ufma.

A ação foi proposta a partir de várias denúncias realizadas por candidatos ao processo, que solicitaram a intervenção do MPF/MA para garantir a isonomia do seletivo.

Segundo o MPF/MA, o processo de vagas ociosas da Ufma iniciou-se a partir de dois editais, um exclusivo para o curso de medicina (Proen nº184/2016) e outro para os demais cursos da universidade (Proen nº183/2016). O seletivo do curso de Medicina estabelecia uma segunda fase, também classificatória e eliminatória, que demonstrava desigualdade em relação aos demais cursos. Essa etapa possuía uma comissão especial e exigia uma carga horária de 75% de cada módulo, diferente dos demais cursos que exigiam apenas 15%.

Após solicitar esclarecimentos à universidade, o MPF/MA obteve como resposta que a resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe/Ufma) conteria a previsão de aproveitamento de estudos realizado por comissão designada pelo colegiado do curso. Na resolução, porém, não há qualquer previsão acerca de comissão especial para processo seletivo de vagas ociosas de qualquer curso e nem sobre preenchimento mínimo de 75% de conteúdo e carga horária para candidatos às vagas para Medicina.

Fonte: G1 MA

CONHECIMENTO À VENDA?

SABER É UMA ATRIBUIÇÃO ADQUIRIDA PELO ESTUDO E IMPOSSÍVEL DE SER COMPRADA. MAS, COM OS PODERES INSTITUÍDOS DO CAPITALISMO, ALIADO ÀS INSTITUIÇÕES MERAMENTE MERCADOLÓGICAS, A SOCIEDADE REPRODUZ A “ILUSÃO DO SABER” . ALGO CORROBADO PELA CRISE DA FAMÍLIA.

 Nos tempos do capitalismo tardio, o sonho pessoal de se formar em um curso universitário se tornou uma possibilidade franqueada a todo indivíduo capaz de pagar a mensalidade de uma instituição de ensino; inúmeras facilidades são oferecidas, de modo a se agregar cada vez mais estudantes nos quadros universitários. Em princípio, tal mudança de paradigmas seria algo culturalmente excelente, pois mais indivíduos poderiam se especializar profissionalmente e assim favorecer o desenvolvimento social. Todavia, grande parte das mudanças de paradigmas acerca da flexibilização do acesso ao ensino superior ocorre por questões meramente mercadológicas, pois corporações empresariais, camufladas socialmente como instituições de ensino, e que fizeram do sistema de ensino um mercado extremamente lucrativo, um grande negócio movimentador da economia atual.

 No mundo pós- moderno, qualquer pessoa agora pode ter seu diploma, desde que possa pagar pela obtenção do mesmo. Tal como destaca com precisão o sublime filósofo e educador Paulo Freire (1921-1997), no contexto dessa realidade educacional norteada pelo primado economicista: “O dinheiro é a medida de todas as coisas, e o lucro, seu objeto principal” .

 O estudante da instituição “comerciária” é tratado como um cliente de empresa que sempre está com a razão, portanto, ele não pode de modo algum ser reprovado pelo professor, caso contrário o estudante -cliente procurará outra instituição universitária para seguir a frágil trajetória acadêmica eivada de resultados intelectuais pifios. Quando ocorre uma reprovação, a culpa é do professor, quando o aluno não compreende o conteúdo da disciplina, a culpa é do professor, e assim sucessivamente, circunstância que evidencia o espírito de ressentimento  estranhado nessa tipologia estudantil. No sistema comercialista de ensino, o professor é vítima constante de assédio moral e pressões institucionais para que possa satisfazer incondicionalmente os caprichos infantis dos alunos,  cada vez mais narcotizados pela infame lógica monetária  do ” pagou, passou” .

CRISE NA EDUCAÇÃO E NA FAMÍLIA .

(Discussão em Marx, Kant e Paulo Freire) .

DESPREZO: Cadê esse governador? Estudantes da Escola Colares Moreira em Codó fazem reivindicações

  Nota-se uma falta completa de infraestrutura para que os alunos possam ter um melhor aprendizado para que os professores possam trabalhar com competência, alguns trabalhadores da educação se sentem prejudicados por não terem condições necessárias para desenvolverem um bom trabalho com a juventude, o que vemos é um total desgoverno e falta de compromisso e respeito com os estudantes. A reivindicação dos alunos é justa, deveria servir de exemplo para outras escolas. O que os alunos querem é só qualidade e estrutura da escola, o que é uma obrigação do estado.

  Os alunos registraram através de fotos a real situação do prédio, entre as principais reivindicações da classe estudantil está a falta de merenda escolar, relataram que “desde o início das aulas nunca sentiram o cheiro da merenda”, os banheiros estão em péssimas condições, tanto o dos alunos quanto o dos professores, o quadro utilizado pelos professores é muito pequeno, a quadra poliesportiva destinada à pratica de Educação Física está em péssimas condições, salas com pouca ventilação e a biblioteca da escola não funciona, somente é aberta quando os alunos pedem um livro e pelo fato do seu desuso muitos livros acabam estragando por causa das goteiras existentes na biblioteca.

  Um líder de turma da escola destacou que “toda a estrutura da escola precisa ser revitalizada, os banheiros estão precisando de reparo nos vasos sanitários, as pias estão quebradas e sem torneira para a higienização das mãos, só há um bebedouro para todos da escola e ainda por cima as torneiras não funcionam como deveriam e não há copos no bebedouro”.

  O Blog foi até a escola para falar com a Diretora Edna, mas não recebeu autorização da mesma para adentrar nas dependências da instituição. A Professora Sônia que estava na sala dos professores disse o seguinte “não vou   me pronunciar porque só trabalho dois dias da semana em sala de aula” talvez relatou isso pelo fato de ser contratada. Os alunos pedem um posicionamento da gestora da Unidade Regional de Educação (URE), entramos em contato e nos informou que “não foi feita chamada pública para a aquisição de merenda escolar”.

Nefroclínica de Codó realizará Programação do II Dia Mundial do Rim

  A Nefroclínica de Codó em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, convida  toda população codoense a prestigiar a programação do II Dia Mundial do Rim.

Dia: 09 de março de 2017
Local: Praça Ferreira Bayma
7:00h – Verificação de Pressão Arterial, Glicemia Capilar, Cálculo de IMC.

Local: Auditório do CRM
14h – Palestra ” A Doença Renal Crônica e suas formas de prevenção e tratamento”
15h – Palestra ” Doença Renal X Obesidade ”
16h – Roda de conversa e Apresentação de Trabalhos Científicos.

Local: Área de Eventos do IHGC – Instituto Histórico e Geográfico de Codó
18:00h – Aulão de Aeróbica com Educadores Físico da Academia da Saúde.

Contamos com sua presença

Capitã Francilene Gonçalves faz homenagem pelo dia da Mulher

Parabéns guerreiras!

Capitã Francilene Gonçalves.

  Neste 8 de março, tenho a honra de parabenizar a todas as mulheres em especial às que trabalham no Sistema de Segurança Pública do nosso município, sejam as policiais militares, as policiais civis, Delegada Maria Tecla, as Guardas Municipais bem como as que fazem parte do corpo administrativo de cada uma dessas repartições imprescindíveis para a manutenção da ordem pública.

Seja na área operacional ou administrativa, nós mulheres conquistamos com muita luta nosso espaço, inquestionável nos dias de hoje.

Com coragem e fibra, sem perder jamais a ternura e feminilidade, as mulheres pouco a pouco foram mudando a imagem de instituições, que antes eram predominantemente ocupadas pelo sexo masculino.

Certamente, estas Instituições e toda a população têm muito a comemorar, pois, além de mães, esposas e filhas, as policiais femininas, guardas municipais, agentes e delegada são construtoras da cidadania e da paz social com direito ao respeito e admiração de todos os codoenses.

Um feliz dia a todas as  mulheres!!!

Veja o que os estudantes dizem sobre a Biblioteca Pública de Codó

Biblioteca Pública de Codó

 Andando pelo Centro da cidade, alguns estudantes pediram um pouco da minha atenção, para conversar sobre a biblioteca pública. Não poderia deixar de ouvi-los. Garantir a qualidade de ensino e conforto, é um dos grandes objetivos do Governo Mais Avanços, Mais Conquista. Estudantes de escolas públicas e até mesmo de escolas particulares e concurseiros, usam com bastante frequência a biblioteca.

A Biblioteca é uma porta de acesso ao conhecimento para tomada de decisão independente, é um local de informação, tornando prontamente acessíveis aos seus utilizadores o conhecimento e a informação.

Os estudantes precisam encontrar livros adequados a suas necessidades, as coleções devem atender os usuários. A biblioteca tem grande frequência quando se aproxima o ano letivo escolar, no período de vestibulares e concursos públicos.

Entre as reivindicações feitas pelos mesmos estar a falta de livros atualizados, cadeiras mais confortáveis evitando dores nas costas, internet, pois as vezes quando chegam no laboratório não encontram internet disponível para realizarem suas pesquisas escolares e o tempo muito curto para uso dos computadores. Além destas necessidades apresentadas, reclamam de conversas paralelas na sala de estudos.

Segundo um estudante que não quis ter seu nome citado, afirmou que “quando fica na sala para ler um livro, diz ouvir conversas paralelas entre funcionárias, afirmou também que se tratando de um local para estudo o barulho atrapalha bastante, e que deveriam falar baixo”.

Câmara de Codó recebe trabalhadores rurais para reunião sobre a manifestação de oito de março

Manifestação dia oito de março

  Homens e mulheres do campo e produtores rurais foram recebidos na Câmara Municipal de Codó para reunião sobre a mobilização que irá acontecer no próximo dia oito. Os trabalhadores se encontraram com o vereador Waldeck Frota, que, representando o parlamento, prestou apoio na organização do movimento que pretende parar o fluxo da BR – 316 no dia oito de março.

Vereador Waldeck Frota conversa com trabalhadores

  De acordo com o parlamentar, a Câmara Municipal de Codó e seus vereadores estarão ao lado dos trabalhadores em apoio as suas reivindicações na manifestação de oito de março. “Essa é uma reunião de apoio logístico aos trabalhadores, na organização das comunidades para esta grande mobilização popular. Eles irão reivindicar uma pauta extensa, incluindo pendências de governos passados, do Governo Federal e do Governo do Estado. Estou aqui representando também os demais colegas e dizendo que estaremos ao lado dos trabalhadores. Agradecemos o apoio da Presidência da Câmara, na pessoa do vereador Expedito Carneiro e também a imprensa”, comentou o edil.

Contra as reformas da previdência

Os trabalhadores que representam diversas comunidades da zona rural do município de Codó irão bloquear a BR-316 no dia 8 de março, com reivindicações para os governos municipal, estadual e federal. Dentre as reivindicações estão: a recuperação de estradas vicinais (municipal); recuperação da MA-026, trecho que liga Codó, Km 17 e região do Triangulo e o bloqueio de recursos para o município de Codó (estadual) e ação de manifestação contrária as reformas da previdência.

 

A líder do movimento e representante da Associação dos Produtores Rurais da Comunidade Quebra Coco, Francisca das Chagas Silva Gonzaga, explicou que será uma manifestação pacífica e em prol dos direitos dos trabalhadores rurais. “Esperamos e contamos com a presença de todos, pois precisamos chamar a atenção das autoridades em todas as esferas do poder. Estamos isolados, sem estradas vicinais para escoar a produção, precisamos da recuperação da MA – 026 e estamos dizendo não a reforma da previdência, pois isso afeta diretamente. O agricultor não tem condições físicas para esperar até os 70 anos para receber seu benefício”, explicou.

Comunidades do campo unidas

Chagas lembrou que a manifestação começará às seis horas da manhã do dia 8 de março, com a BR – 316 bloqueada, sendo permitida a passagem apenas de ambulâncias. Os manifestantes estimam a presença entre mil e mil e quinhentas pessoas as margens da via federal.

Ascom – CMC

 

 

Luciano Huck recebe jovem Maranhense do Parlamento Jovem

Arão Mota e Luciano Huck

  O jovem parlamentar maranhense, Arão Mota, do IFMA de São Luís, representou nosso estado no programa do Caldeirão do Hulck, em um debate sobre educação, com outros estudantes do país e mediado por Mário Cortella (filósofo e educador), na terça-feira. Ainda não sabemos o dia que será transmitido o programa, talvez a partir do dia 04 de março.

“Sinto-me mais do que orgulhos por vê- lo ampliando sua atuação. Eu e a comissão de análise e avaliação dos projetos de lei do Programa PJB-SEDUC, já percebíamos ele como destaque. O Arão Mota,  inteligente, brilhante com seu carisma, fluindo no seu discurso de um jovem atuante, conhecedor da sua ação enquanto cidadão, jovem parlamentar, protagonizando nas agendas de políticas atuais das políticas públicas para o fortalecimento da educação e para juventude que fez bonito na semana da jornada parlamentar em Brasília em Setembro de 2016, como vice-presidente da comissão que presidiu. Esperançosa por acreditar que a educação é o viés gerador da transformação social que possibilita diminuir desigualdades sociais desde que com políticas públicas efetivas”, disse a Senhora Rose, Coordenadora Estadual do Programa Parlamento Jovem Brasileiro PJB.

Na semana passada gravou para TV Assembleia e para o Programa Atitude de Maria Assunção. E, atenção aos jovens do ensino médio de escolas públicas (estaduais e federais) e de escolas privadas a partir do dia 26/03, estarão abertas as inscrições para o Programa é o para se inscrever é necessário a elaboração de um projeto de lei “autoral”, produzido pelo aluno e  de relevância nacional. Aguardem a mobilização através desse blog.