Aproveite a semana inteira da BLACK FRIDAY Moda Paraíba

De 23 a 28 de novembro voce vai poder comprar confecção e calçados com descontos de até 70% no setor de moda do Paraíba, e você ainda parcela o preço com o desconto em até 10 vezes no cartão Paraíba e demais cartões.

Aproveite! É somente esta semana. A loja está repleta de novos produtos em promoção com preços incríveis para vestir e calçar você e toda a sua família.

Paraíba, sucesso em qualquer lugar!

No governo de Zé Francisco terá SECRETARIA DA JUVENTUDE. Quem será o secretário? Veja

O ex-prefeito Zito Rolim criou a Secretaria Municipal da Juventude em 2013 através de projeto de Lei e promoveu a Primeira Conferência Municipal voltada para os jovens no município, com o objetivo de discutir e implementar as políticas públicas para juventude.

O atual prefeito Nagib quando assumiu o comando do município, transformou a Secretaria criada por Zito em um departamento dentro da estrutura administrativa da Secretaria de Governo.

Durante campanha eleitoral, Zé Francisco prometeu a retomada da Secretaria Municipal da Juventude com a cara do jovem codoense.

É importante que o novo secretário tenha uma boa relação com causas estudantis, questões LGBTQI+, movimentos religiosos, sociais e culturais. A juventude codoense espera que o novo secretário não esteja lá só para cumprir tabela. O órgão não pode ser assumido por forasteiro e pessoas com o interesse de usar o cargo para se promover politicamente.

O novo gestor de juventude deve ser diferente e engajado e conhecer a realidade e o contexto socioeconômico do município.

O novo secretário será um jovem entre 15 a 29 anos? Vai ser um jovem de minoria? Qual será seu perfil e o histórico de lutas?

Na condição de Conselheiro Municipal de Juventude e Conselheiro Universitário da UFMA, tenho o direito e a obrigação de me manifestar sobre o assunto.

Moto roubada é encontrada com menores infratores em desmanche no bairro Codó Novo

Na manhã deste sábado (21/11), após receber uma denúncia via COPOM, a Polícia Militar foi acionada com informações de que havia uma motocicleta POP 110, com registro de roubo, sendo desmontada em uma casa na Rua Padre Cícero, no Bairro Codó Novo.

Após o deslocamento e chegada da guarnição, os policiais encontraram a motocicleta no local e um suspeito, menor de idade nas proximidades, que foi apresentado na Delegacia e este, informou à equipe policial a autoria do roubo, um indivíduo conhecido como “ Biel”, que após diligências foi localizado e apresentado à autoridade policial para que as providências sejam tomadas.

Assessoria de Comunicação  17°BPM

Tribunal de Justiça do Maranhão emite nota de repúdio e pesar pelo assassinato de homem negro em supermercado

O Tribunal de Justiça do Maranhão, por meio de seu Comitê de Diversidade, órgão permanente instituído pela Resolução GP 47/2020, com o objetivo de promover a conscientização para a necessidade de respeito à diversidade, visando à erradicação de preconceitos e práticas discriminatórias, vem a público manifestar repúdio e pesar pelo assassinato de João Alberto Silveira Freitas, ocorrido no dia 19 de novembro de 2020, nas dependências de um supermercado em Porto Alegre/RS.

Este crime, praticado na véspera do Dia Nacional da Consciência Negra, revela as características do racismo estrutural marcantes na sociedade brasileira, que tende a naturalizar a prática de atos de violências e discriminação contra a população negra, e reforça a necessidade de adoção de políticas institucionais que contribuam para a erradicação do racismo e demais formas de discriminação em todos os níveis sociais, corporativos e profissionais, em consonância com os princípios constitucionais e os tratados e compromissos internacionais que rechaçam todas as formas de discriminação e violência, dos quais o Brasil é signatário.

Nesse sentido, o Tribunal de Justiça do Maranhão reafirma o seu compromisso e sua missão institucional de promoção de Direitos Humanos e de políticas antidiscriminatórias pautadas nos princípios da dignidade da pessoa humana, cidadania, equidade e inclusão social, para a consolidação dos valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos.
 

Campanha #AmpliaUEMA ajudará estudantes no pagamento da taxa de inscrição do PAES

O movimento Amplia lançou, na última semana, a #AmpliaUEMA, com o apoio de professores da rede estadual do Maranhão, para conectar estudantes pretos, pardos e indígenas a pessoas que querem “apadrinhar” suas inscrições no Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (PAES-2021), da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). A campanha foca em viabilizar a participação de estudantes que não poderiam pagar a taxa de R$ 85,00. A meta é alcançar, pelo menos, 300 estudantes no Estado até o dia 27 de novembro, data de encerramento das inscrições.

Os estudantes interessados em participar da campanha precisam se inscrever no PAES/UEMA 2021, acessando o site https://www.paes.uema.br/?p=1846, e em seguida preencher o formulário do Movimento Amplia, disponível em: https://bit.ly/ampliaUEMA. A campanha prioriza estudantes que tenham uma renda individual no valor máximo de 3 (três) salários mínimos mensais. Para mais informações, os estudantes podem acessar: estudantes@movimentoamplia.com.br.

Ao se cadastrar, os estudantes devem enviar ao Amplia seu boleto, que será redirecionado para o pagamento por “madrinhas” e “padrinhos”, que se cadastram no mesmo formulário. Empresas também podem participar, contribuindo com doações de inscrições e divulgando a campanha nas redes sociais.

“Vivemos em um mundo desigual. Nossa sociedade carrega profundas marcas de desigualdade ao longo da história. É preciso viabilizar políticas e projetos que diminuam essas marcas e que possibilite uma mudança estrutural no sistema. Essa ação é importante, porque além de garantir o pagamento das inscrições de alunos afrodescendentes e indígenas que perderam o prazo para isenção, também traz a reflexão sobre a garantia do direito ao acesso a uma universidade pública, gratuita e de qualidade para todos os povos. Estamos falando em ocupação de espaço, pertencimento, e sujeitos críticos de sua própria trajetória”, destacou a professora do Centro de Ensino Cruzeiro de Santa Bárbara e umas das incentivadoras da Campanha no Estado, Camila Tavares.

A professora Camila Tavares também expressou a sua satisfação por participar da campanha em prol dos estudantes. “O engajamento e divulgação da campanha pode mudar a realidade desse estudante para que ele não abandone a escola, conclua o ensino médio e tente ingressar em um dos cursos oferecidos pela UEMA. Poder fazer parte desse projeto, estar acompanhando de perto meus alunos, vendo o entusiasmo por uma possibilidade de futuro diferente de suas gerações, não tem preço. É gratificante vê-los motivados, poder ajudar a alcançar esse sonho, ainda mais por serem integrantes da comunidade limítrofe à UEMA. É aí que a extensão universitária faz todo o sentido, quando a comunidade externa passa a ser parte também da comunidade interna, produzindo ensino, pesquisa e extensão”, exprimiu.

A atual campanha se espelha na primeira iniciativa do movimento que, em coro às manifestações antirracistas, propôs a atuação direta de garantir maior acesso de jovens negros e indígenas ao ensino superior por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A ação uniu doadores que pagaram diretamente o boleto do exame a centenas de estudantes que não conseguiram realizar as inscrições sem essa ponte.

Ao todo, os apoiadores pagaram efetivamente R$ 10 mil em boletos, auxiliando todos os alunos que enviaram boletos ao movimento. Entre os estudantes, 93% são negros e 77% são mulheres. A raça foi autodeclarada pelos próprios candidatos via relatório.

O Movimento Amplia é um grupo multidisciplinar que busca aumentar oportunidades para a juventude preta, parda e indígena no Brasil, por meio da educação. As ações têm como objetivo diminuir a desigualdade racial no âmbito educacional, com o apoio da sociedade civil, por meio de campanhas de mobilização; fortalecimento de organizações do terceiro setor, engajadas nas bandeiras da educação e da luta antirracistas; e promoção de campanhas de financiamento.

Fonte: Seduc
Texto: Antônio Figueiredo