Blog do Leonardo Alves - Compromisso com o Leitor!

Sancionada lei que regulamenta serviço de rádio poste de autoria da deputada Francisca Primo

Atendendo a uma demanda dos profissionais do serviço de Publicidade Alternativa de Linha Modulada, foi sancionada, na quarta-feira (20), pelo governador Flávio Dino (PCdoB) a lei estadual que regulamenta esses serviços, por meio do projeto de lei 059/18, de autoria da deputada estadual Francisca Primo (PCdoB), que apresentou a proposição na Assembleia Legislativa após solicitação da Associação das Sonorizações Via Cabo do Maranhão (Assovima).
A deputada ressaltou a importância da lei sancionada pelo governador. “É uma satisfação atender ao pedido desses profissionais que levam notícias de interesse público com uma comunicação mais direta para ouvintes de várias comunidades. E a partir da sanção dessa lei, diversos profissionais terão suas atividades legalizadas, garantindo a liberdade de expressão e beneficiando inúmeras rádios de todo o estado”, enfatizou Francisca Primo.
Para o presidente da Associação das Sonorizações Via Cabo do Maranhão (Assovima), Michel Manoel, a regulamentação é a realização de um sonho e cria novas oportunidades em todo o estado. “No Maranhão, essas rádios já funcionam há mais de 30 anos e, agora, tivemos a felicidade de aprovar esse tão sonhado projeto, que garante, por exemplo, que as rádios possam ser ampliadas”, comentou.
Conhecidos como “rádio de zona rural” e “rádio poste”, o Serviço de Publicidade Alternativa de Linha Modulada, transmitida via equipamentos sonoros por meio de fios conectados com alto-falantes, beneficiam os centros comerciais e permitem a integração de seus moradores com informações de cunho educacional e social.
Para o radialista Pedro Paulo, essa lei é um marco para os profissionais do setor. “Comecei minha carreira em rádio comunitária e hoje quero parabenizar a todos os radiocomunicadores atuantes no estado por esta conquista”, frisou.
Assecom

STF dá uma “cacetada” no governador do Maranhão

Flávio Dino (PC do B), tenta a todo custo intimidar a imprensa livre que divulga casos de corrupções em seu governo; Ministro-relator, Alexandre de Moraes afirma que críticas são inerentes à política.

Em julgamento ontem, quinta-feira (21), o Supremo Tribunal Federal – STF, decidiu, por unanimidade, derrubar o dispositivo da lei eleitoral que poderia proibir sátiras políticas a três meses das eleições.
Todos os 11 ministros votaram contra a proibição.
O relator do processo, ministro Alexandre de Moraes, afirmou que não se pode interditar o debate público e que as críticas são inerentes à atividade política. “Quem não quer ser satirizado, fica em casa, não se oferece para ocupar cargos políticos”, disse. “Querer evitar isso por meio de uma ilegítima intervenção estatal na liberdade de expressão é absolutamente inconstitucional”, afirmou Moraes.
O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), tenta a todo custo intimidar a imprensa livre maranhense com processos criminais na justiça, e pedem quantias de dinheiro vultosas como indenizações. Contudo, o STF já tem um claro entendimento acerca da Imprensa Livre e Liberdade de Expressão, e mesmo que os tribunais no estados decidam CENSURAR a imprensa livre, recorrer ao STF será causa ganha.
A presidente do STF, Ministra Cármen Lúcia, tem sido implacável na defesa à liberdade de expressão, por parte de quem quer que seja.
Este Blog reforça a tese defendida pelos Ministros do Supremo Tribunal Federal, e afirma que todas as denúncias neste meio de comunicação são legítimas, aprofundadas, ‘exauridamente’ investigadas, para em seguida serem divulgadas à população, que é o principal objetivo deste.
“Toda forma de censura é inócua à verdade, portanto, através dela seremos irmãs siamesas da liberdade de expressão, uma não se sustenta sem a outra”. 
Fonte: Filipe Mota

Sucesso marca o encerramento do curso de Noções de RH – Convênio FC Oliveira e SENAI em parceria com a Prefeitura de Codó

Na tarde desta última quinta-feira (21), no auditório da Associação Comercial de Codó, 23 jovens encerraram o curso de Noções Básicas de Rotinas RH, promovido através do grupo FC Oliveira, SENAI e Prefeitura de Codó (Departamento de Indústria, Comércio e Turismo), que teve duração de 40 horas.

O diretor de indústria, comércio e turismo Antonio Luz, que compareceu no evento de encerramento, parabenizou os participantes pela conclusão do curso, onde destacou a importância da parceria do grupo FC OLIVEIRA para realização do curso, onde jovens serão novos profissionais de RH que ajudará no desenvolvimento do município.

Almeida, professor do SENAI que ministrou o curso, agradeceu a turma de concluintes pelo empenho e dedicação durante 10 dias de aulas, ressaltando também a importância da qualificação profissional e a necessidade das empresas para contratação de novos profissionais com qualificação na área de recursos humanos. Após o encerramento, os concluintes foram servidos com coffe brack.

Em breve será realizada as certificações dos participantes.

HOMOFOBIA: o preconceito começa em casa e avança nas ruas, deixando um rastro de violência

Era uma tarde de domingo dos anos 70, como outra qualquer. Crianças brincavam em uma das travessas da avenida Kennedy, em São Luís. A diversão escolhida era cantiga de roda, brincadeira comum na época, em que meninas dançavam e cantavam rodando em círculo de mãos dadas.
“Eu sou uma viuvinha que vem de Belém, quero me casar, mas não acho com quem…”. O único menino do grupo entrou no meio da roda, dançando e cantando a estrofe da música, mãos na cintura, rebolando os quadris. Feliz e desenvolto na pureza do seu universo infantil.
Mas, pelas regras impostas pela sociedade de então, aquela brincadeira de roda não era para meninos, e sim, exclusivamente de meninas. E o garoto de seis anos pagou caro pela ousadia de dançar daquele jeito. 
“Meu pai, de longe, me viu cantando e dançando igual às meninas, tirou o cinto e me deu uma surra no meio da rua, na frente de todos. Ele me arrastou pra casa aos gritos de ‘viadinho’ e dizendo que eu tinha que aprender a ser homem”, conta o cabelereiro Kléber Silva, hoje, com 45 nos.
Quase quarenta anos depois, este episódio e tantos outros que vieram em seguida, no próprio ambiente familiar, ainda estão presentes na memória de Kléber. “Papai me espancava muito e quase todos os dias. Não aceitava o fato de eu me comportar como menina”.
Kleber conta que, desde muito criança, se sentia diferente e desconfortável por ser menino. Queria se vestir como menina. Desejava vivenciar o universo feminino, sentia que fazia parte dele. “Eu sonhava em fazer balé e caminhava dentro de casa, e também nas ruas do bairro, na ponta dos dedos dos pés, imitando as bailarinas. Na escola, eu assistia aulas de ginástica rítmica e via a professora ensinando passos de balé. Ao chegar em casa, ficava repetindo os pliês em frente ao espelho. Quando meu pai via aquilo, me enchia de taca”, relata.
Mas o pai jamais permitiu que ele concretizasse o sonho de estudar balé. Kleber lembra que a intolerância e violência eram tão presentes em sua infância e adolescência, que sofria espancamento até quando já estava dormindo. Isso acontecia nas ocasiões em que o pai chegava em casa, no meio da noite, alcoolizado, invadia o quarto e arrancava o garoto da cama, sob cintadas. E de nada adiantavam os apelos da mãe.
Ele relata que apoio emocional encontrou apenas na mãe, que sempre o apoiou, dando-lhe todo amor. Hoje, Kleber é transformista e se apresenta em shows artísticos. “Quando eu estou montada, me chamo Pamela”, acrescenta.
Identidade – A violência sofrida pelo cabelereiro Kléber no ambiente familiar, durante toda a sua infância e adolescência, não difere muito da realidade vivenciada por grande parte dos LGBTs.  Em muitos casos a homofobia começa dentro de casa em forma de pai e mãe, mas fora dela o preconceito não tem forma, rosto, nem gênero.
A psicóloga Artenira Silva esclarece que, na infância, por volta dos quatro a seis anos, começa a ser construída a identidade de gênero da criança – se ela se identifica como menino ou como menina. Já no início da adolescência começa a ser definida a orientação de gênero. O garoto e a garota vão começando a ter desejo sexual e descobrem o que atrai sexualmente – se o sexo oposto, o mesmo sexo ou se têm atração por ambos os sexos.
Artenira Silva ressalta que os pais e mães precisam ler e se informar mais sobre o assunto para entender que a sexualidade humana é extremamente complexa. “Reprimir a identidade de gênero e humilhar o filho ou a filha só vai destruí-lo”.
“MÃE, NÃO ME DEIXE MORRER”
O preconceito no âmbito familiar é, sem dúvida, a mais dolorosa das homofobias. E a mais indiscutível. São poucas as pessoas homossexuais que passaram incólumes a essa triste experiência que marca, às vezes, de forma indelével, toda uma vida.
Diferente do preconceito e da discriminação que vem de estranhos, a homofobia familiar vem de quem deveria amar e proteger e em relação a quem os homossexuais são mais vulneráveis emocionalmente. Há casos em que a violência dos pais alcança níveis extremados.
“Mãe, não me deixa morrer”. A frase em tom de desespero foi a última tentativa do adolescente Itaberli Lozano, de 17 anos, permanecer vivo. Mas seu clamor não foi atendido.
Sites de notícia informam que aprisionado em um quarto de sua casa, o rapaz foi morto com golpes de faca no pescoço, que teriam sido desferidos pela própria mãe, Tatiana Lozano Pereira, de 32 anos, com a ajuda de mais duas pessoas. O crime aconteceu em dezembro do ano passado em Cravinhos (SP), ganhou ampla divulgação na mídia e mobilizou a opinião pública. Itaberli era homossexual.
O corpo do adolescente foi encontrado quatro dias depois, carbonizado em um canavial próximo a Cravinhos. Além das facadas, havia muitas marcas de espancamentos. A mãe relatou à polícia o apelo que lhe foi feito pelo filho, mas atribuiu a autoria das facadas mortais a dois jovens que ela contratou para dar uma lição no filho.
O advogado de Tatiana, que se encontra presa, tenta atenuar e afastar a homofobia como motivação do crime: “ela não queria matar, apenas dar um corretivo no filho”.
Corretivo – O crime que chocou o país aconteceu em São Paulo, mas, fato semelhante por pouco não ocorreu também em São Luís, em 2013. Uma mãe, revoltada por não aceitar que o filho de 14 anos tivesse se assumido gay, contratou três rapazes para ‘dar um corretivo’ no adolescente.
O jovem de 19 anos, que preferiu não ter sua identidade revelada, conta que passou por uma sessão de tortura, com muito espancamento e foi jogado de uma altura que quase lhe levou a óbito.
“Eu estava andando na rua quando apareceram três homens na minha frente e me disseram: trouxemos um recado da tua mãe, ‘viadinho’. Um deles me derrubou com uma rasteira e os outros começaram a me espancar com muita violência. Foi quando outro me agarrou pela camisa e me jogou de cima para baixo. Bati a cabeça muito forte e desmaiei. Quando acordei já estava no hospital Socorrão. Fiquei internado alguns dias e por pouco não morri”, relata o jovem. 
Para deixar marcas profundas, a homofobia intrafamiliar não precisa ser apenas física. Palavras e atitudes intolerantes vindas de pai ou de mãe não ferem o corpo, mas machucam a alma.
Foi o que aconteceu com o jornalista Jock Dean, 29, que se assumiu gay há 10 anos. A frase que ouviu da mãe, na ocasião, até hoje não foi esquecida. “Eu tomei a decisão de contar para a minha mãe e, naquele momento, ela me disse que tinha vergonha de mim. Doeu muito e posso garantir que de todas as situações vivenciadas em função da minha homossexualidade essa foi a mais pesada ”, afirmou.
Jock Dean assume sua expressão de gênero por inteiro. Usa maquiagem no dia a dia, sombra, batom vermelho e mantém as unhas longas, bem cuidadas e pintadas com cores escuras. “Quando entro em banheiro de shopping, para dar a retocada básica na maquiagem, alguns homens me olham de forma torta, risinho no canto da boca, expressão de escárnio. Preconceito em locais públicos, isso está presente no meu cotidiano”.
Jock Dean afirma que quando  percebe alguma atitude preconceituosa parte para  o enfrentamento. Diz que primeiro tenta entender se a pessoa está agindo daquela forma por ser ignorante, sem informação, ou por maldade e puro preconceito.  Confirmando a segunda hipótese, aí sim, ele altera a voz e fala mais alto.
Militância – Na rua, Jock relata ser muito comum ouvir piadinhas de homens que param os veículos, gritam e dão buzinadas. “Uma vez contei dez pessoas fazendo isso só enquanto eu esperava o ônibus para ir para o jornal. Aí, a gente se pergunta:  por que uma pessoa para alguns segundos do seu tempo para se importar com alguém só porque esta pessoa não é igual a ela?”.
Atualmente,  o jornalista Jock Dean integra o grupo ‘Curta Diversidade’, um coletivo LGBT que se reúne no Cine Praia Grande para exibir e debater sobre filmes, também promove rodas de diálogos com pais e participa de eventos para discutir o tema, quando convidado.
Jock é um militante da causa LGBT. “Quando se é LGBT a militância é perene,  desde a hora que se acorda até a hora que vai dormir. O simples fato de estar na rua, ser um LGBT assumido em um cenário atual com o conservadorismo avançando absurdamente é um movimento de militância”.
Ele afirma que “viver sem medo é uma forma de ativismo e o principal ato politico que um LGBT pode fazer por si é se assumir e viver sua sexualidade, livre de qualquer amarra”.
HOMOFOBIA DEIXA RASTRO DE SANGRE
A homofobia é a repulsa ou aversão aos homossexuais. O preconceito em muitas sociedades impede que gays possam exercer livremente a sua cidadania ou viver em segurança. Alvo de discriminação, são constantemente ameaçados com insultos ou agressões físicas que, muitas vezes, levam à morte.
A Rede Trans e o Grupo Gay da Bahia divulgaram dados preocupantes. Só nos quatro primeiros meses deste ano, 53 transgêneros foram mortos – um aumento de 18% em relação ao ano passado. Transgêneros são as pessoas que se identificam com o sexo oposto ao atribuído quando do nascimento.
Os dados confirmam a intolerância contra a comunidade LGBT no país. Segundo o Grupo Gay da Bahia, no ano passado, foram registrados, no país, 343 assassinatos de gays, travestis e lésbicas, vítimas de agressões físicas.
O mesmo grupo afirma que a cada 25 horas, uma pessoa com uma dessas orientações sexuais é morta no Brasil. É o maior índice desde que o grupo começou a fazer este levantamento, em 1979.  Os números apontam que o Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais no mundo.
No Maranhão, a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos identificou 67 assassinatos, entre janeiro de 2008 e fevereiro de 2017, relacionados à orientação sexual ou identidade de gênero das vítimas.  Deste total, 49 assassinatos foram de gays (73%);  15 mortes de trans (22%); 1 morte de bissexual (2%) e 2 mortes de lésbicas (3%).  Em 2016, segundo a SMDDH, foram registrados 15 homicídios relacionados à homofobia. Em 2017 já há registro de 13 assassinatos.
Mesmo com todos os indícios de que os crimes têm motivação homofóbica, a falta de previsão legal no Código Penal para homofobia dificulta a punição mais rigorosa dos autores da violência.
Características – O delegado Guilherme Campelo esclarece que os crimes que envolvem preconceito de gênero têm características próprias, pois deixam marcas de ódio e grande rastro de sangue. Nos corpos das vítimas há mutilações que evidenciam tortura e, na maioria das vezes, são utilizadas armas brancas, pauladas e asfixia.
“Pela própria cena do crime em que as vítimas são deixadas, durante a investigação confrontamos as circunstâncias com a orientação sexual da vítima e o autor tomado por um ódio muito grande”, explicou.
A subnotificação pode estar mascarando a maioria dos casos, o que faz com que as mortes envolvendo LGBT sejam registradas como homicídios simples.
Em São Luís, pelo menos um caso recente se enquadra nestas características. No dia 31 de maio deste ano, o adolescente Lucas Carvalho, de 17 anos,  foi assassinado a golpes de faca no bairro da Divineia, em São Luís. Seu corpo foi encontrado com sinais de tortura, várias perfurações a faca no abdome, pescoço cortado e sinais de violência sexual. 
Depoimentos de vizinhos e alguns familiares confirmam que o rapaz era homossexual.  Cinco meses depois, o crime continua envolto em mistério e não há suspeito da autoria.  A mãe de Lucas, até hoje sofre pela falta de punição para os culpados e busca compreender os motivos que levaram à morte o filho. “Meu menino não tinha inimigos,  não procurava confusão, não andava errado. Ele só pensava em se divertir. Não entendo porque fizeram isso”.
MOVIMENTO LGBT LUTA PELA CRIMINALIZAÇÃO DA HOMOFOBIA
O presidente do Conselho Estadual LGBT do Maranhão, Airton Ferreira da Silva,  confirma a tese de que os casos de homicídio com motivação homofóbica não são notificados por falta de criminalização da homofobia no Brasil. “O fato de não criminalizar esta prática, como é o racismo, o feminicídio e a violência contra a mulher,  impede que tenhamos dados importantes para que o Estado possa investir em políticas públicas nesta área”, esclareceu.
O Movimento LGBT quer que uma lei parecida com a do Feminicídio seja sancionada para punir com mais rigor quem comete crimes contra gays e lésbicas
O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA, Rafael Silva, afirma que falta vontade política para compreender que a homofobia é uma realidade na sociedade brasileira, mata e violenta pessoas.
“E esta violência acontece fisicamente e simbolicamente, ao longo da vida e todos os dias, em relação apenas a pessoas que estão lutando pelo direito de ser. Estão  lutando para expressar os seus afetos e por valores que são positivos para a nossa sociedade”, ressalta Rafael.
Ele explica que o movimento LGBT tem uma luta que é importante a todas as pessoas, mesmo as que não se inserem no grupo LGBT, porque é uma luta pela liberdade existencial, pela liberdade dos afetos, a luta pelo amor. “Evidentemente que a OAB faz parte dessa luta, ela não apenas apoia, é uma luta da OAB porque é uma luta da democracia”,  conclui.
Enfrentamento – O secretário de Direitos Humanos do Estado, Francisco Gonçalves, disse que a Secretaria vê com preocupação e tem criado campanhas para barrar a violência, apoiando e incentivando a população LGBT, os encontros, as paradas gays, os seminários e as articulações regionais e nacionais para fortalecer a agenda deste segmento.
A Secretaria de Direitos Humanos também está avançando  na consolidação do Conselho Estadual de Direitos da População LGBT e na construção de agendas de politicas públicas com as Secretarias de Saúde, Educação e Segurança Púbica.  Francisco Gonçalves afirma que há o enfrentamento das práticas violentas  contra a população LGBT e a maioria dos crimes foi apurada e espera-se a punição dos acusados.
Jacqueline Heluy/Agência Assembleia

Governo premiará escolas para incentivar o protagonismo estudantil

Com o objetivo de estimular o protagonismo estudantil na Rede Pública Estadual de Ensino, o Governo do Estado do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), promoverá o concurso “Minha Escola Protagonista”, destinado a unidades de ensino que possuam grêmio estudantil ativo e cadastrado no órgão.
Serão premiadas as escolas que alcançarem no mínimo 25% de download do aplicativo “Minha EscolaApp”, disponível para o sistema operacional Android, no qual os estudantes têm acesso a diversas informações como: notas, recursos para a escola, nota do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), avaliar a merenda, as aulas, infraestrutura, didática, dar sugestões de como melhorar a escola e receber todas as informações sobre os projetos de interesse do estudante.
De acordo com o edital, disponível em educacao.ma.gov.br, a porcentagem de downloads deverá ser proporcional ao número total de alunos matriculados na respectiva escola, tendo como referência o SIAEP (Sistema de Administração das Escolas) e os alunos deverão avaliar a escola na área “Avalie sua escola”.
Inscrições
As inscrições podem ser realizadas até 15 de julho. Para participar, a escola deverá se inscrever por meio de formulário disponível no endereço eletrônico da Seduc e enviar para: minhaescolaprotagonista@gmail.com.
O resultado do Concurso “Minha Escola Protagonista será divulgado no site da Seduc, a partir de 25 de julho de 2018. As escolas premiadas receberão o valor de R$ 3 mil, via caixa escolar. A aplicação deste recurso será definida pelo Grêmio Estudantil.
Fonte: Seduc

Matrículas para o SiSU 2018.2 ocorrerão nos dias 25, 26 e 28 de junho na UFMA

SÃO LUÍS – A Universidade Federal do Maranhão (UFMA), por meio da Pró-Reitoria de Ensino (Proen), torna público o edital que regulamenta o ingresso nos cursos presenciais de Graduação no segundo semestre letivo de 2018. As disposições gerais do edital PROEN Nº 113/2018 prevê que a seleção dos candidatos às vagas disponibilizadas por meio do Processo Seletivo SiSU/UFMA será efetuada exclusivamente com base nos resultados obtidos pelos candidatos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) referente ao ano de 2017.

Para o segundo semestre, a UFMA ofertará 3.328 vagas, distribuídas entre os nove câmpus: Bacabal (120), Balsas (80), Chapadinha (160), Codó (170), Grajaú (120), Imperatriz (436), Pinheiro (220), São Bernardo (230) e São Luís (1.792).

As matrículas da chamada regular ocorrerão nos dias 25, 26 e 28 de junho. No câmpus do Bacanga, em São Luís, será realizada no Ceb Velho (prédio da biblioteca central), já nos câmpus do continente, elas ocorrerão nas secretarias acadêmicas.

As vagas, eventualmente não ocupadas após a chamada regular do SiSU, serão preenchidas, exclusivamente, por meio da lista de espera disponibilizada pelo Sistema de Seleção Unificada. Para constar na lista, o candidato deverá, obrigatoriamente, manifestar, no site do SiSU, de 22 a 27 de junho, o interesse pela vaga. Já no dia 3 de julho, será publicado no site da Universidade, um edital específico sobre a lista de espera, informando os prazos e procedimentos que o candidato deve saber para confirmar a inclusão do seu nome na lista de espera.

Para efeito de seleção com vistas ao ingresso em curso de Graduação na UFMA, o candidato deverá ter obtido no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), edição de 2017, no mínimo nota diferente de zero em cada uma das provas relativas às áreas de conhecimento avaliadas e na Redação. Não será atribuído peso específico a nenhuma das áreas de conhecimento.

Para efetivar a matrícula, o candidato selecionado deverá apresentar-se à Comissão de Matrícula da UFMA, nos prazos e horários estabelecidos no cronograma disponível no edital, estando de posse dos documentos gerais e específicos, originais e cópias.

UFMA

Governo e deputado Othelino Neto contemplam a cidade de Pinheiro com a terceira etapa do Mais Asfalto

Na manhã desta segunda-feira (18) a cidade de Pinheiro  foi contemplada com extensão do Programa Mais Asfalto do Governo do Estado, anunciado no último dia (11). É a terceira etapa do Programa em Pinheiro.
Segundo o engenheiro da obra, Xavier Filho, neste primeiro momento desta nova etapa, são 8km de camada asfáltica que inclui o melhoramento da avenida Paulo Ramos.
A intensificação das parcerias do Governo do Estado com a cidade de Pinheiro é essencial para manter o desenvolvimento na região da Baixada. “Sabemos da importância da cidade, temos reconhecido isso historicamente, mediante ao apoio à cultura, à infraestrutura, à saúde. E hoje iniciamos a expansão do programa Mais Asfalto para os bairros de Pinheiro que nunca receberam asfalto e a ampliação dos programas na rede de saúde estadual e municipal”, comentou o governador.
Segundo o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Othelino Neto, Pinheiro recebe programas importantes para a cidade de Pinheiro, investimentos na infraestrutura e na saúde, além dos outros programas que estão sendo executados na cidade. Essas parcerias são importantes para melhorar e garantir o maior benefício ao cidadão, o principal interessado”, disse o deputado.
O deputado Othelino Neto, hoje é o legítimo representante da cidade de pinheiro na Assembleia Legislativa do Maranhão, sua influência e ´proximidade com o governo foram fatores decisivos para a chegada de mais uma etapa do Mais Asfalto em Pinheiro.
Fonte: Vandoval Rodrigues

Atletas Corpo e Forma team são premiados no XIV Campeonato Estadual de Fisiculturismo Fitness 2018

No último sábado (16), os atletas Corpo e Forma team, conquistaram premiação no XIV Campeonato Estadual de Fisiculturismo Fitness, realizado em Teresina PI. A equipe preparada e com o corpo todo trabalhado, atraíram os olhares dos jurados da competição. O evento teve como objetivo promover o esporte e reunir os atletas de alto nível na competição.

Os atletas foram incentivados pela pela Academia Corpo e Forma. Jordeson Warlem, um dos atletas que conquistou a premiação no campeonato, em entrevista ao titular do Blog do Leonardo Alves, falou da sua evolução e maturidade, após ter recebido reconhecimento. “Vi que tive uma evolução muito grande em qualidade e maturidade muscular, conquistei com um corpo muito melhor de que ano passado quando foi minha última competição e foi muito bom. Atingi meu objetivo de desafiar e evoluir”, disse o atleta.

Confira as categorias dos atletas:

Body Shape acima de 1,70
Jordeson Warlen  top 3

Wellness até 1,58  Juliana Oliveira  top 4

Culturismo Sênior acima de 90 kg  Camilo José G Muniz  top 2

Mens Physique até 1,74 top 3:  Joelson de Paiva 

Mens Physique até 1,74 top 2:  Shermany Gomes Carlos.

Os atletas agradecem aos patrocinadores: Academia Corpo e Forma, Wilson Maguila (Treinador), Daniel Viana (Nutricionista), Cleodston Galvão (Fisioterapeuta), Sabor e saúde (Nutricionista Jullyana), Mundo Fity (Nutricionista Nagyla Mayane).

 

Aluna do IFMA Campus de Codó publica artigo em revista internacional

A aluna de Agronomia do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Codó, Míria Casado da Silva, teve artigo publicado em periódico reconhecido internacionalmente como referência em pesquisa na área de armazenamento de grãos. O Journal of Stored Products Research (Jornal de Pesquisa de Produtos Armazenados) tem Qualis A2 e publicou o trabalho intitulado “Hermetic storage as an alternative for controlling Callosobruchus maculatus (Coleoptera: Chrysomelidae) and preserving the quality of cowpeas”, (Armazenamento hermético como alternativa para o controle de Callosobruchus maculatos e preservação na qualidade do feijão), desenvolvido pela estudante, com coautoria dos alunos Maksaila Gomes da Silva e Artur Oliveira Abreu.

O estudo aborda o uso de garrafa PET como alternativa aos inseticidas no controle de insetos-praga e preservação da qualidade de grãos de feijão caupi durante o armazenamento. Os resultados do estudo demonstraram que é possível armazenar os grãos em garrafa PET e manter sua qualidade em até 120 dias. O uso desse tipo de garrafa é importante para pequenos agricultores, por apresentar um baixo custo.

Para Míria Grasiele, o desenvolvimento do artigo foi de importante  para sua formação como aluna de iniciação científica, incentivando-a ao pensamento crítico, desenvolvimento pessoal e estímulo à docência. “Graças ao apoio do IFMA, do professor Gutierres, que me orientou para o desenvolvimento da pesquisa, e da colaboradora do estudo, Maksaíla, conseguimos obter essa publicação”, afirma.

Segundo Professor Gutierres Nelson Silva, coordenador do curso de Agronomia, no meio científico é raro conseguir publicar em periódicos internacionais de alto impacto, a exemplo dos classificados como Qualis A1 e A2. “Se a dificuldade já é grande para pesquisadores experientes, imagine para quem ainda está cursando a graduação”, ressalta.

 

IFMA