Mulheres dependentes químicas são prioridade em tratamento oferecido pelo governo federal

As mulheres dependentes químicas, especialmente aquelas em período de gestação e amamentação, têm prioridade no preenchimento de novas vagas financiadas pelo Ministério da Cidadania em comunidades terapêuticas do Brasil. Entidades interessadas em prestar o serviço de acolhimento têm até o dia 16 de março para o envio de propostas, de acordo com edital da pasta.

Atualmente, o governo federal custeia 11 mil vagas em comunidades terapêuticas conveniadas. Do total, 940 são ocupadas por mulheres, incluindo gestantes e lactantes. O secretário de Cuidados e Prevenção às Drogas do Ministério da Cidadania, Quirino Cordeiro, explica que o objetivo do atual governo é promover o acesso gradual de dependentes químicas ao tratamento.

“No Brasil, infelizmente, temos uma quantidade muito pequena, ainda, de comunidades terapêuticas que tratam de mulheres com dependência química. E infelizmente, também, nós temos enfrentado nos últimos anos um aumento importante de dependência química entre mulheres. Então, estamos com uma demanda cada vez maior para o tratamento de mulheres. Precisamos aumentar o número de vagas”, defende.

Além de ampliar o acesso ao tratamento de mulheres, o edital do Ministério da Cidadania prioriza o financiamento de vagas em comunidades terapêuticas localizadas em Ananindeua (PA), São José dos Pinhais (PR), Paulista (PE), Goiânia (GO) e Cariacica (ES) – cidades que compõem o programa do governo federal “Em frente, Brasil”, voltado ao combate de crimes violentos. Também foca nas entidades que prestam atendimento a adultos do sexo masculino. O aumento do número de vagas em comunidades terapêuticas é um compromisso assumido pelo governo.

“Neste edital, especificamente, aumentamos o número de vagas que podem ser financiadas em comunidades terapêuticas. Até o edital passado havia a possibilidade do financiamento de até 60 vagas. Nós ampliamos para 80, com o objetivo também de aumentarmos a possibilidade de pessoas receberem cuidado nestas entidades. O objetivo do governo federal é que nós passemos das atuais 11 mil vagas, que são financiadas pelo Ministério da Cidadania, para mais de 20 mil vagas”, completou Cordeiro.

O chamamento é aberto ao credenciamento de novas comunidades terapêuticas, além das que já possuem convênio com o governo. A assinatura dos contratos com as entidades está prevista para julho de 2020. O edital pode ser acessado na página da Imprensa Nacional.

Saiba mais

A Política Nacional Sobre Drogas é desenvolvida em conjunto pelos ministérios da Cidadania, da Saúde, da Justiça e Segurança Pública, e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. A pasta da Cidadania é responsável pelo tratamento de dependentes químicos com foco na estratégia da abstinência dos usuários.
 

Comunidade Terapêutica feminina em Goiânia (8/5/2019)

desenvolvimentosocial