Conselho de Pastores de Codó e Prefeito Nagib se reúnem para tratar da reabertura de cultos religiosos

O presidente do Conselho de Pastores, apóstolo Luís Carvalho e representantes do Conselho de Pastores se reuniram em audiência nesta segunda-feira (6) com prefeito de Codó, Francisco Nagib, o secretário de educação e finanças, Ivaldo José e o procurador-geral do município, Ribamar Carvalho, para tratar do retorno dos cultos nas Igrejas Evangélicas.

O prefeito Francisco Nagib, durante a audiência, falou com o promotor de justiça e com o comandante da Polícia Militar para alinhar todas as medidas de segurança a serem seguidas para o retorno aos cultos nas igrejas evangélicas. Seguindo as orientações do Ministério Público, ficou decidido que os cultos serão realizados obedecendo todos os critérios de segurança estabelecidos pela Vigilância Sanitária.

Dentre as exigências para realização dos cultos nas igrejas ficou decidido que:

• Para evitar aglomeração de pessoas, serão realizados em duas ou três sessões, ao invés de sessão única.
• Os cultos devem ser realizados com número reduzido de pessoas em cada sessão e respeitando o espaçamento de dois metros entre os participantes; obtendo assim uma proporção de pessoas de acordo com a dimensão do santuário do culto.
• A total higienização e esterilização dos locais de realização dos cultos.
• Disponibilidade de local para lavar as mãos e de álcool em gel para participantes.
• Idosos a partir de 60 anos e crianças até 05 anos não poderão estar presentes; e também pessoas que apresentem doenças, como gripe, asma, pressão alta e diabetes . Estes poderão assistir os cultos transmitidos via internet.

Seguindo os critérios de segurança exigidos pela Vigilância Sanitária e Ministério Público, tendo o cuidado com a higienização frequentes das mãos; evitando cumprimentos com aperto de mãos, abraços e beijos. Assim, fica autorizado o retorno da realização de cultos nas igrejas evangélicas em Codó a partir da data de publicação deste documento.

Ascom

Ministério da Saúde diz que máscaras caseiras podem ajudar na prevenção contra o coronavírus

Para proteger você e sua família, o Ministério da Saúde orienta a produção de modelos simples, de pano, que também funcionam como barreiras na propagação da doença

Desde o início da pandemia provocada pelo coronavírus, uma corrida mundial em busca de máscaras de proteção fez com que elas sumissem das prateleiras. O Ministério da Saúde está realizando compras de fornecedores nacionais e internacionais, em grandes quantidades, para garantir a proteção dos profissionais de saúde, que trabalham na assistência às pessoas doentes.

A confecção de máscaras caseiras tem se tornando um fenômeno mundial e qualquer cidadão pode fazer a sua em casa. Agora, o Ministério da Saúde do Brasil vai lançar uma campanha digital pela mobilização da população para fabricar as próprias máscaras de pano.

Além de eficiente, é um equipamento simples, que não exige grande complexidade na sua produção e pode ser um grande aliado no combate à propagação do coronavírus no Brasil, protegendo você e outras pessoas ao seu redor.

Para ser eficiente como uma barreira física, a máscara caseira precisa seguir algumas especificações, que são simples. É preciso que a máscara tenha pelo menos duas camadas de pano, ou seja dupla face. E mais uma informação importante: ela é individual. Não pode ser dividida com ninguém. As máscaras caseiras podem ser feitas em tecido de algodão, tricoline, TNT ou outros tecidos, desde que desenhadas e higienizadas corretamente. O importante é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e nariz e que estejam bem ajustadas ao rosto, sem deixar espaços nas laterais.

“Você pode fazer uma máscara ‘barreira’ usando um tecido grosso, com duas faces. Não precisa de especificações técnicas. Ela faz uma barreira tão boa quanto as outras máscaras. A diferença é que ela tem que ser lavada pelo próprio indivíduo para que se possa manter o autocuidado. Se ficar úmida, tem que ser trocada. Pode lavar com sabão ou água sanitária, deixando de molho por cerca de 20 minutos. E nunca compartilhar, porque o uso é individual”, explica o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. “Máscaras de pano para uso comunitário funcionam muito bem e não são caras de fazer. Porque, agora, é lutar com as armas que a gente tem. Não adianta a gente lamentar que a China não está produzindo. Vamos ter que criar as nossas armas, e elas serão aquelas que nós tivermos”, completou Mandetta.

O Ministério da Saúde elaborou algumas orientações para que a população faça as máscaras com os materiais que têm em casa.

SAIBA COMO FAZER A SUA MÁSCARA

  • Em primeiro lugar, é preciso dizer que a máscara é individual. Não pode ser dividida com ninguém, nem com mãe, filho, irmão, marido, esposa etc. Então se a sua família é grande, saiba que cada um tem que ter a sua máscara, ou máscaras;
  • A máscara deve ser usada por cerca de duas horas. Depois desse tempo, é preciso trocar. Então, o ideal é que cada pessoa tenha pelo menos duas máscaras de pano;
  • Mas atenção: a máscara serve de barreira física ao vírus. Por isso, é preciso que ela tenha pelo menos duas camadas de pano, ou seja, dupla face;
  • Também é importante ter elásticos ou tiras para amarrar acima das orelhas e abaixo da nuca. Desse jeito, o pano estará sempre protegendo a boca e o nariz e não restarão espaços no rosto;
  • Use a máscara sempre que precisar sair de casa. Saia sempre com pelo menos uma reserva e leve uma sacola para guardar a máscara suja, quando precisar trocar;
  • Chegando em casa, lave as máscaras usadas com água sanitária. Deixe de molho por cerca de dez minutos;
  • Para cumprir essa missão de proteção contra o coronavírus, serve qualquer pedaço de tecido, vale desmanchar aquela camisa velha, calça antiga, cueca, cortina, o que for.

Ministério da Saúde

Futuro presidente do TSE diz que unificar eleições seria desrespeito com eleitor

Apesar de ter sugerido o adiamento das eleições de 2020 por conta da pandemia de coronavírus, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, é contra a unificação do pleito deste ano com o de 2022, quando serão eleitos governadores e prefeitos. Próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ele afirma que a decisão é problemática no âmbito constitucional, institucional e gerencial.

Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, Barroso acredita que a mudança desrespeitaria o mandato dado pelo eleitor, de quatro anos, além de confundir a população ao colocar sete cargos ao mesmo tempo em votação. “Um verdadeiro inferno gerencial”, avaliou, pontuando a dificuldade para dividir o tempo de televisão.

O magistrado destacou ainda que o precedente de mandatos na história do país ocorreu na ditadura militar. “Uma emenda constitucional estendeu até 1982 o mandato de prefeitos e vereadores eleitos em 1976, e que deveria terminar em 1980”, lembra.

Em sua avaliação, o melhor seria adiar o pleito apenas pelo tempo necessário para realizar as eleições com segurança para toda a população. 

Barroso não está isolado nesta ideia, mas a discussão inclui muitos atores políticos que rechaçam a decisão sobre um adiamento agora ou aproveitam para endossar o coro pela unificação. Esse debate foi tema do podcast de política do Bahia Notícias, o Terceiro Turno.

Bahia Notícias

UFMA lança o primeiro de uma série de cursos da UNA-SUS para o enfrentamento da Covid-19

Diante da pandemia do novo coronavírus e a urgente capacitação em massa de todos os profissionais de saúde do país, a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) lançou o curso “Orientações gerais ao paciente com Covid-19 na Atenção Primária à Saúde”.

Desenvolvido pela Universidade Federal do Maranhão, integrante da Rede UNA-SUS (UNA-SUS-UFMA), em parceria com a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde (SGTES-MS), esse é o primeiro de uma série de cursos para o enfrentamento da pandemia.

Com carga horária de 15h, o curso é livre, totalmente gratuito e tem início imediato. As matrículas podem ser realizadas até 31 de dezembro de 2020, pela internet.

Além de apresentar as fases epidemiológicas da Covid-19, como casos importados, transmissão local e comunitária, o curso aborda também as definições dos casos operacionais (suspeitos, prováveis, confirmados, descartados e excluídos) e dá orientações sobre manifestações clínicas e condições de risco para complicações em casos de síndrome gripal.

O aluno também tem acesso às diretrizes sobre o isolamento domiciliar que são preconizadas pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde, bem como as medidas de prevenção e redução do novo coronavírus na Unidade de Saúde da Família e na comunidade.

Ascom

CORONAVÍRUS: Idosa de 74 anos morre no Maranhão; a paciente tinha problemas cardíacos

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) comunica que registrou 39 novos confirmados do Covid-19. Com isso sobe para 172 o número de casos positivos por laboratório, sendo quatro óbitos.

O quarto óbito trata-se de uma idosa de 74 anos, que estava assistida desde 29 de março no Hospital São Luís, e há dois dias na Unidade de Terapia Intensiva do hospital, em São Luís. A paciente era cardíaca.

Com informações da Secretaria de Estado da Saúde