Projeto “Costurando pela Vida” ultrapassa as 100 mil máscaras produzidas e distribuídas aos caxienses

Todos os dias o trabalho começa no Projeto “Costurando pela Vida”, que funciona no Ginásio de Esportes Governador João Castelo, com uma ginástica laboral, que também é realizada nos intervalos de entrada e saída para que os profissionais em atividade tenham a saúde prevenida para ajudar a outros caxienses.

“Temos que cuidar da saúde das nossas costureiras. Temos um momento de oração e, em seguida, partimos para a produção, onde é feito primeiramente o desenho dos moldes das máscaras. Esses moldes são cortados, depois costurados no modelo que estão sendo produzidas, finalizadas e, por fim, embaladas para serem entregues a todos os caxiense”, explica Kiara Braga, secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social.

Executado pela Prefeitura de Caxias, por meio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) e Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM), o desenvolvimento do trabalho pelo Projeto “Costurando pela Vida” tem ajudado milhares de famílias. As atividades tiveram início em 20 de abril, com 64 funcionários, 10 voluntários e 20 costureiras.

Ao todo, já foram produzidas até esta quarta-feira (16) um total de 113.117 unidades de máscaras, que diariamente são distribuídas para a população caxiense nas zonas urbana e rural, onde já foram beneficiadas mais de 108.765 pessoas.

“Nós continuamos distribuindo no Centro da cidade, mas temos agora os pontos de distribuição, que são as escolas na zona urbana e rural. Nós entregamos 10 mil para a Secretaria de Educação toda semana. Entregamos as máscaras também para as Unidades Básicas de Saúde, então qualquer pessoa do bairro pode ir à UBS para pegar máscara e  nos hospitais”, explica Libbya Cantanhede, coordenadora do projeto.

A meta é chegar aos 1 milhão e 500 mil máscaras anunciadas pela Prefeitura de Caxias. Além disso, a prefeitura ainda contratou de micro e pequenas empresas mais 300 mil máscaras, por meio de uma chamada pública para conseguir servir a todos os caxienses com os equipamentos de proteção individual, colocando mais de duas máscaras nas mãos de cada caxiense. Enquanto os caxienses precisarem de máscaras para se protegerem da pandemia, a prefeitura vai fornecer a cada caxiense. Quem trabalha e ajuda na corrente de solidariedade fala do trabalho que é de extrema importância.

“A gente espera contribuir com a prevenção. Em vez de estarmos em casa, nós estamos aqui colaborando. É importante usar a máscara porque além de nos protegermos, protegemos as pessoas mais próximas”, frisa Karla Beatriz, integrante do CCI do Cangalheiro.

“É importante porque é daqui que sai a proteção para os mais vulneráveis, para as pessoas que não podem comprar as máscaras”, afirma Francisca Silva, do CRAS do Engenho D’Água.

“Eu estou gostando de participar. É uma causa para ajudar, estou participando com muita dedicação e tem muitas pessoas que não podem comprar, por isso que a gente está ajudando aqui”, ressalta Jessica de Andrade, do Projeto Mãos Amigas.

“A minha satisfação é de dever cumprido, porque estamos sabendo que as máscaras estão protegendo os cidadãos caxienses. Então, é satisfatório”, reforça Luzinete da Silva, do CRAS Salobro.

O projeto conta também com voluntárias que vão pelo prazer em ajudar outras pessoas e também integram a equipe do projeto, visando colaborar com quem mais precisa.

“Eu vim para ajudar o próximo, a quem não tem condições. Eu acho legal, estou feliz em estar participando. Tem muita gente levando na brincadeira, não faz o uso da máscara, mas temos que incentivar”, afirma Yanka Rutiele, voluntária.

“Eu cheguei e disse que queria ajudar. Está sendo maravilhoso. Eu estou ajudando e estou sendo ajudada. Eu estava meio triste só em casa, agora estou aqui e estou achando muito bom, e ainda estou ajudando o próximo”, expressa Ana Carina, voluntária.

A equipe do projeto já percorreu mais de 25 povoados da zona rural, garantindo a entrega da máscara de proteção e informações preventivas sobre a covid-19. “A entrega é realizada de casa em casa, e além da distribuição nos bairros da cidade e zona rural, semanalmente cerca de 15 mil unidades são doadas para os órgãos públicos também fazerem a distribuição, como, por exemplo, saúde, educação, agricultura, dentre outras”, explica Kiara Braga.

E o trabalho segue com uma produção que acontece todos os dias, de 7h às 13h com uma equipe e de 12h às 17h com uma outra equipe. E, assim, a Prefeitura de Caxias segue ajudando aos caxienses a enfrentar o novo coronavírus.