Sousa Neto cobra governo Flávio Dino segurança para a UFMA

Sousa Neto cobra governo Flávio Dino segurança para a UFMA

 

Sousa Neto cobra governo Flávio Dino segurança para a UFMA

O deputado estadual Sousa Neto (PROS) cobrou, nesta quinta-feira (6), providências do governo Flávio Dino e da reitoria da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) para a insegurança no Campus do Bacanga, em São Luis. Ele pediu agilidade quanto às investigações dos casos de estupro registrados no local, na última semana.

“É mais um fato lamentável envolvendo a Universidade Federal, e nada foi feito, até agora. O governador Flávio Dino não se posiciona sobre o assunto. Ele, que já foi professor ou está licenciado daquela Instituição, correndo o mesmo risco dos alunos, professores e funcionários, à mercê da marginalidade e dos bandidos. Cadê esses mil policiais novos que estão nas ruas? Será que não pode designar pelo menos duas viaturas para lá. Esse é o governo da mudança. Por isso, estou cobrando, mais uma vez, do secretário de Estado de Segurança Pública, Jefferson Portela, que pare de engodo e efetivamente trabalhe pela Segurança Pública do Estado do Maranhão”, questionou, em pronunciamento.

Sousa denunciou o descumprimento, por parte da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e da própria administração da UFMA, do acordo celebrado no ano passado, que garantia a presença da Polícia Militar com o patrulhamento ostensivo em toda extensão do campus, relembrando o latrocínio de um estudante, ocorrido dentro de um centro acadêmico. “Depois da morte de um universitário, foi feito um convênio entre a Universidade Federal e a Secretaria de Segurança Pública, coincidentemente, entre o secretário Jefferson Portela e a sua irmã Nair Portela, para que fossem colocadas viaturas dentro daquela instituição. E eu fico me perguntando como é que não está a situação hoje, depois de dois estupros, além do consumo de drogas e dos assaltos que vêm ocorrendo”.

Requerimento 

O parlamentar pediu a atenção dos colegas sobre o requerimento de sua autoria, apresentado à Mesa Diretora, solicitando que o Governo disponibilizasse viaturas, urgentemente, para a cidade universitária. “Peço sensibilidade a todos os deputados para que aprovem requerimento de minha autoria, que pede para que seja colocado policiamento no interior da UFMA, e que dê transparência à sociedade sobre como foi feita tal parceria, se foi midiática ou se teremos uma PM atuante na região. Porque, o que nós sabemos, é que até hoje, mesmo com a manifestação dos alunos, ontem (5) à noite, na colação de grau, não se viu nem uma viatura no local, apesar da repercussão em nível nacional do caso”.

Assecom – Dep. Sousa Neto

Andrea Murad quer audiência pública para tratar de segurança na UFMA

Andrea Murad quer audiência pública para tratar de segurança na UFMA

A deputada Andrea Murad em entrevista à Rádio Assembleia anunciou que vai solicitar audiência pública para discutir a questão da segurança na UFMA. Ela quer reunir a reitoria, órgãos do estado e representantes da comunidade acadêmica para ouvir as demandas e propor soluções que visem garantir a segurança dos alunos, professores e funcionários da cidade universitária.

“Vou propor que esta casa realize uma audiência pública com a presença da reitoria da UFMA, a Polícia Militar, a Delegacia da Mulher, a Secretaria de Estado da Mulher, representantes da comunidade acadêmica, entre outras instituições e organizações para que juntos possamos ouvir as necessidades de todos e colocar a Assembleia à disposição para qualquer medida que precisarem a curto e médio prazo. Quero parabenizar o pronunciamento da Deputada Valéria Macedo, a nossa Procuradora da Mulher aqui na Assembleia, que tão bem representa as mulheres aqui na casa. Acho que o Poder Legislativo pode contribuir muito e pra isso precisa ouvir as demandas e essa audiência que irei propor será uma ótima oportunidade. Isso não pode continuar acontecendo, é gravíssimo”, explicou Andrea Murad.

Andrea Murad considera graves as ocorrências no interior do campus da UFMA, em menos de uma semana 2 casos de estupros foram registrados. Em seu discurso nesta quarta-feira (30), a parlamentar chamou a atenção também para a prática de assédios às mulheres, uma discussão que vem tomando as redes sociais e a imprensa nacional.

“Eu queria ressaltar também sobre este caso que está chamando a atenção do Brasil inteiro, sobre o assédio às mulheres, e dizer que realmente nós temos que nos revoltar contra esse tipo de situação. Em nome de todas as deputadas aqui da Assembleia, Deputada Nina, Deputada Ana, Deputada Francisca, Deputada Graça, Deputada Valéria, dizemos não à cultura do machismo, cultura esta impregnada na sociedade, que leva ao assédio, ao estupro e até a morte. Isso precisa ter fim. Precisamos dar um basta!”, disse Andrea.

Fonte: Blog do Gilberto Leda

Abertas as inscrições do Programa Parlamento Jovem Brasileiro 2017

Parlamento Jovem Brasileiro

Quer vivenciar o dia a dia de um parlamentar?

 

avatar 2017

O Parlamento Jovem Brasileiro é realizado anualmente e tem por objetivo possibilitar aos alunos de ensino médio de escolas públicas e particulares a vivência do processo democrático, mediante a participação em uma jornada parlamentar na Câmara dos Deputados, em que os estudantes tomam posse e atuam como deputados jovens.

A riqueza de aprendizados é grande e os 78 alunos que são empossados como deputados jovens têm a oportunidade de desenvolver habilidades de argumentação e respeito à diversidade de opiniões, além de construir um olhar mais crítico sobre sua realidade. Somados à experiência de convivência com as culturas e cores de todas as partes do nosso país, o PJB potencializa a atuação mais democrática dos jovens e seu protagonismo político.

                                                           Foto_1_PJB_grupo_rampa_ED

A primeira edição do programa ocorreu em 2004. De lá para cá, houve a participação de 924 jovens parlamentares estudantes do ensino médio. Mais que isso, milhares de estudantes e professores em todos os estados se mobilizaram para trabalhar o PJB em sala de aula e possibilitaram que esses aprendizados também se estendessem a todos os que se inscreveram ao longo de todas as edições.

                                                                     Foto_2_PJB_aluna_plen_comissão_ED

Você pode participar escrevendo um projeto de lei. Como? Pensando na realidade de seu país, observando os problemas que precisam de solução e propondo possíveis alternativas em formato de propostas de lei, sobre qualquer tema. A organização é nossa, mas a mobilização e a vontade de atuar é toda sua.

O PJB mantém canal de comunicação entre os estudantes de todo o Brasil e a Câmara dos Deputados: a fanpage do Parlamento Jovem Brasileiro no endereço www.facebook.com/parlamento.jovembrasileiro . Conheça e curta nossa página!

Mobilize seus professores e sua escola. Participe do Parlamento Jovem Brasileiro.

 

Foto_3_PJB_grupo_plen_UG_ED

Câmara dos Deputados

SEGUNDO A POLÍCIA DO GOVERNO FLÁVIO DINO, BRENO DA UJS ALICIAVA ESTUDANTES EM SÃO LUÍS

Breno da Conceição Costa é do estado do Rio Grande do Norte e veio para São Luís em 2014, na campanha do então candidato ao governo do Maranhão Flávio Dino (PC do B)

 Breno da Conceição Costa que é membro da União da Juventude Socialista – UJS, movimento jovem ligado ao Partido Comunista do Brasil – PC do B e segundo informações repassadas ao Blog, que este mesmo Breno Costa teria vindo para São Luís, importado do estado do Rio Grande do Norte, para a campanha do então candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino – PC do B, em 2014. A responsável pela vinda do Breno seria a presidente da UJS no Maranhão, conhecida como Taís Campos, que é do estado de Santa Catarina, veja a imagem a baixo.

Taís Campos faz ‘selfie’ com o então candidato Flávio Dino

O Blog também foi informado, que divergências acerca de cumprimento de acordos como espaços no governo Flávio Dino, afastaram Breno e Taís e justamente por isso, eles ocuparam a escola estadual Centro Integrado do Rio Anil (Cintra), no bairro do Anil, no mês de novembro do ano passado.

Breno concedeu entrevista à TV Mirante durante acampamento no CINTRA

Antes do rompimento de Brendo e Taís Campos, o movimento era custeado por membros do governo Flávio Dino, como a Secretaria de Estado da Educação – SEDUC, que dava estrutura financeira para os membros, inclusive o pagamento do aluguel da sede da entidade que nem existe, a tal União dos Estudantes Secundarista do Maranhão – UESMA.

Passando a ser adversário dos ‘comunas’, Breno foi preso numa operação policial que aconteceu na madrugada do dia 23 de novembro de 2016, onde há relatos que a polícia deu chutes, ponta-pés, gás de efeito moral, dentro da Unidade de Ensino, e expulsou os estudantes que estavam acampados por 42 dias.

 Segundo a Operação que foi comandada pela Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), os membros do movimento “Destruíram totalmente a escola. Quebraram televisores, computadores, armários, a merenda escolar também. Picharam a escola com a sigla de uma facção criminosa. Crimes previstos no Código Penal, por isso, os maiores foram autuados em flagrante”, afirmou o delegado Tiago Bardal, responsável pela operação.

O resultado da operação realizada durante a madrugada foi à condução de 16 pessoas para a SEIC, sendo que nove são maiores de idade e foram identificados como Fernando Gustavo Silva Grajaú, Alex Jhonata Serra Ribeiro, André da Silva Mota, Assuero Gabriel de Oliveira Melo, Brendo da Conceição Costa, David Dayton Silva Freitas, João Victor Correa Saraiva, Relrison Teilon Silva Diniz e Zidane de Assis Vieira Mendonça.

Segundo a SEIC, Brendo aliciava menores para pedir dinheiro em sinais e retornos da capital ludovicense, para custear drogas como maconha e álcool.

O Blog pede que à grande mídia que averigue e ajude a aprofundar este caso, uma vez que até agora, não se ouviu a defesa dos envolvidos nesta estória que está muito mal contada. 

E mais: O Blog está levantando mais relatos desta confusão que ao que parece, está sendo contada por um só lado.

Blog do Filipe Mota

CARTA DE UM ALUNO DA UEMA DE CODÓ QUE ESTÁ REVOLTADO COM A FORMA COMO ESTÁ SENDO TRATADO PELA DIRETORA

 

  Sou aluno do curso de Administração e gostaria de expor o que estamos enfrentando no momento. Quando prestamos o vestibular optamos pelo turno NOTURNO, pois a maioria dos alunos são trabalhadores, assim como as aulas sempre foram de segunda a sexta das 18:20 às 22:10, 5 aulas por dia. Pois bem, esse ano ao fazermos a matricula para o novo semestre nos deparamos com 4 aulas por dia, de 18:30 às 21:50, de segunda a sábado, sem intervalo entre as aulas, ou seja, os alunos ficam sem um momento para sequer lanchar, o que para muitos é o horário de jantar, pois vem diretor dos trabalhos para as aulas, como é o meu caso, sem contar a extrema improdutividade para os professores que não tem um momento para descansar a voz, e para os alunos que ficam a noite toda com fome e cansaço mental. Ainda pior é o caso de 2 das 4 turmas, que tem aulas das 15:00 às 21:50 aos sábados.

A questão é que, segundo a nova diretora do Centro, Fátima Salgado, essa decisão já veio da UEMA geral de São Luís para todos os centros, não sabendo-se o motivo da mudança. Sabemos que a realidade de São Luís é muito discrepante da de Codó, e acreditamos que a nova diretora possa intervir junto ao reitor sobre a volta dos horários anteriores, que não afetará o andamento da carga horária das disciplinas. Já fizemos abaixo assinado, registrado em cartório com a assinatura de todos os alunos do centro, mas não tivemos um bom retorno da direção em relação a ele, pelo contrário, fomos tratados com desdém.

A maioria dos alunos não pode assistir aulas aos sábados, uns porque trabalham nesse horário, outros porque já tinham começado cursos de especialização ou profissionalizantes, e outros porque moram em Timbiras e Coroatá e pagam carros mensalmente para trazê-los, mas não há carros nos dias de sábado, e alguns estão arriscando vir de moto para não pegarem falta. Mas a maioria está ficando com faltas aos sábados por impossibilidade de ir.

Já tentamos resolver essa situação diplomaticamente junto à diretora, mas segundo suas próprias palavras ” seu cargo é de confiança” e ela não tem autoridade para mudar os horários, mas entendemos que a mesma, conhecedora da nossa realidade e dificuldades para acompanhar esses horários pelos motivos expostos acima, tem autonomia para intervir por nós junto ao Reitor.

Não sabemos mais o que fazer, estamos correndo risco de reprovar o semestre por faltas, além da quantidade de conteúdos que estamos perdendo desde o dia 06/03, data de início das aulas.

Peço, em nome dos alunos da UEMA de Codó, que você divulgue essa situação em seu blog, para que talvez, por aqui, possamos conseguir essas mudanças. Deixamos bem claro que desde o começo estamos tentando resolver isso com diplomacia, mas agora não vemos outra alternativa senão irmos à mídia.

Agradeço sua atenção.

Blog do Leandro de Sá