Elina Tassia protocola denúncia à Polícia Federal contra ataques que vem sofrendo nas redes sociais

A candidata a vereadora Elina Tassia protocolou, na manhã desta quarta-feira (04), denúncia na Polícia Federal, em Caxias. A notícia-crime da jovem é contra vários ataques que vem sofrendo de perfis falsos nas redes sociais.

De acordo com Elina Tassia, perfis falsos foram criados no Instagram com o objetivo de prejudicar sua campanha através de publicações ofensivas. Por isso, ela pede à PF para investigar quem realmente estão por trás dos perfis falsos e que sejam punidos pela Justiça Brasileira.

“A presente notícia-crime trata sobre uma afronta evidente à legislação criminal causada por perfis falsos, que fez várias publicações contendo uma série de postagens inverídicas e ofensivas à minha honra e de meu marido”, disse a jovem.

A assessoria jurídica de Elina Tassia explica que a jovem candidata e seu marido, o jornalista Marco Silva, sofreram incontroverso abalo de ordem moral. O ofensor, segundo a assessoria, utiliza expressões vagas e títulos chamativos, sempre acobertado pelo anonimato possibilitado pela rede social.

“Diante disso, faz-se necessário levar o fato criminoso ao conhecimento da autoridade policial para instauração de Inquérito Policial, não restando qualquer dúvida quanto à necessidade do Poder Judiciário determinar que a requerida (Instagram) forneça a identificação do ofensor anônimo responsável pelas ditas postagens ou forneça o endereço de IP, a fim de que sejam adotadas as medidas de ordem cível e criminal”, explicou a assessoria jurídica de Elina Tassia.

A denúncia protocolada pela candidata também solicita o bloqueio integral do perfil falso existente na rede social Instagram.

Assessoria de Comunicação da candidata Elina Tassia 

Procuradora da Mulher da Assembleia manifesta-se sobre o “caso Mariana Ferrer”

Helena Duailibe disse que a forma como Mariana Ferrer foi humilhada perante o juiz é inaceitável

A procuradora da Mulher da Assembleia Legislativa, deputada Helena Duailibe (Solidariedade), manifestou-se, na manhã desta quarta-feira (4), sobre o “caso Mariana Ferrer”, que chocou o país pela decisão proferida por um magistrado, ao julgar o processo com fundamentos na tese de “estupro culposo”, inocentando o acusado. A parlamentar repudiou, também, a humilhação sofrida pela jovem, durante a audiência.

“Quando a gente pensa que avança em relação à Lei Maria da Penha, em tantas conquistas que já foram feitas para colocar a mulher em seu lugar, nós vemos aqui casos como o de Mariana Ferrer. Então, eu venho aqui me solidarizar com a jovem”, afirmou a deputada Helena Duailibe.

Segundo a procuradora da Mulher na Assembleia, infelizmente, o que aconteceu com Mariana acontece todos os dias com centenas de mulheres. “É necessário que a justiça seja feita. Não existe estupro culposo. A forma como Mariana foi humilhada perante o juiz é inaceitável. É preciso que as autoridades revejam essa situação e façam algo em prol de Mariana”, defendeu.

Repúdio

Em suas redes sociais, o presidente da Assembleia, deputado Othelino Neto (PCdoB), também repudiou o episódio envolvendo a influenciadora digital Mariana Ferrer. “Infelizmente, ainda vivemos em uma cultura machista, que sempre acha um jeito de culpabilizar a vítima. Não há tipificação em lei para ‘estupro culposo’. A decisão é absurda e só protege o agressor”.

Othelino afirmou “que o Legislativo maranhense segue aprovando matérias importantes de fortalecimento das leis de proteção às mulheres vítimas de violência para que absurdos como esse não prosperem”.

Portas abertas

Ainda em seu discurso, a deputada Helena Duailibe afirmou que a Procuradoria da Mulher da Assembleia Legislativa do Maranhão está de portas abertas a todas as mulheres que sentirem  necessidade.

“Procuraremos sempre buscar justiça para as mulheres que, de alguma forma, sofrem violência, sendo física ou verbal. É isso que faz com que as mulheres fiquem com medo de denunciar. Elas já têm a dificuldade para denunciar e, quando denunciam, são humilhadas de forma brutal. O nosso repúdio, a nossa indignação. Queremos justiça para Mariana!”, ressaltou a deputada.

SEGUE DISPARADO: Dr. Zé Francisco recebe apoio de Sebastião Celso

O candidato Dr. Zé Francisco segue fortalecendo seu projeto político para o desenvolvimento de Codó. Ele está crescendo e vem recebendo adesões todos os dias.

Com uma vasta experiência na área da saúde e nos conselhos municipais, quem decidiu apoiar Zé Francisco foi o advogado Sebastião Celso e seus familiares e amigos. Ele já foi coordenador do Programa Saúde na Escola, coordenador de Vigilância  Epidemiológica, coordenador de Atenção Básica, assessor de saúde, conselheiro municipal de saúde e atual  presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do  Adolescente.

Zé Francisco faz sua campanha expondo seu plano de governo e ouvindo os anseios da população.

Sebastião Celso acredita no projeto de Dr. Zé Francisco.

Após visita ao Maranhão, Bolsonaro autoriza estudos para federalização da MA 006

O presidente Jair Bolsonaro autorizou o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) a fazer estudos para federalização de 231 quilômetros da MA-006, entre Balsas e Alto Parnaíba.

A obra da rodovia havia sido reiterada, em discurso, pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, que acompanhou o presidente na visita às obras de duplicação da BR-135. Atualmente, as condições da rodovia são as piores possíveis.

Com a federalização do trecho entre Balsas e Alto Parnaíba, a estrada passará a ser unificada com a BR-230. A ligação das duas rodovias começou em março deste ano, com o início da obra de construção de uma ponte sobre o Rio Parnaíba, no trecho entre Parnaíba, no Maranhão e Santa Filomena, no Piauí.

O senador Roberto Rocha (PSDB), pediu diretamente ao presidente Jair Bolsonaro pelo projeto de federalização da MA-006, e afirma que os produtores da região sul do Maranhão serão os maiores beneficiados:

“No Matopiba (fronteira agrícola que compreende Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) , todas as estradas que vêm até o Maranhão para ir ao Porto do Itaqui são federais. Então, é uma obra necessária e justa para quem mais produz no nosso estado, que são os produtores da região Sul. Por isso que o presidente decidiu, a nosso pedido, federalizar a MA-006 no trecho de Alto Parnaíba e Tasso Fragoso até Balsas”.

Promotor de Justiça abre investigação criminal contra autoridades de Codó sobre morte de J NET, Ruy Rey e mais duas pessoas

O Ministério Público Estadual do Maranhão instaurou Procedimento de Investigação Criminal com o objetivo de apurar possíveis condutas criminosas na atuação das equipes de saúde, no município de Codó que trataram dos pacientes, que vieram a óbito, Ruy Rey Pereira Coelho; José Pereira Matos, conhecido como “J. NET”; Diogo Wallison Fraga Nascimento e Antônio Marcos de Souza Coelho.

O procedimento criminal foi instaurado para averiguação dos recursos disponibilizados para o combate ao COVID-19, ao município de Codó; esclarecimento da omissão das autoridades codoenses (Prefeito, Secretário de Saúde, Diretor HGM e Câmara Municipal), diante de casos tão graves e esclarecimento do caso do paciente JOSE PEREIRA DE MATOS, conhecido como J NET, entre outros casos narrados.

No Procedimento de Investigação Criminal tem como investigados o Secretário Municipal de Saúde, Suelson Leonir Correia Sales; o Diretor do Hospital Geral Municipal, Josué Pinho da Silva Júnior, e o Coordenador do Hospital de Campanha, Carlos Henrique Cruz de Sales, além de outros que venham a ser identificados no decorrer da investigação, para levantamento das informações que permitam melhor apurar as responsabilidades, alcançando todos os sujeitos e abarcando todos os fatos possíveis, seja mediante a requisição de informações, inspeções, certidões, depoimentos pessoais, perícias seja por quaisquer outros meios legais que se mostrem necessários.

O Promotor de Justiça determinou encaminhamento dos autos à Assessoria Técnica de Apoio à Saúde, para análise das informações médicas encaminhadas a este órgão, a fim de que informe, em seu Parecer técnico, se há indícios de conduta criminosa na atuação das equipes de saúde que trataram dos pacientes mencionados no objeto deste PIC.

Veja a portaria publicada no Diário Eletrônico do Ministério Público Estadual: